Manifesto por Mayara no congresso da ANPPOM

por Rede Sonora no XXVII Congresso da ANPPOM 2017 – texto escrito por Eliana Monteiro da Silva e lido por Ísis Biazioli

 

A rede “Sonora – músicas e feminismos”, vêm apresentar seu profundo pesar e consternação frente ao assassinato brutal da violonista e pesquisadora Mayara Amaral, ocorrido no dia 24 de julho de 2017.

Mayara era nossa colega, parceira de trajetória, professora e musicista dedicada à pesquisa do repertório, para seu instrumento, composto por mulheres. Com artigo sobre o assunto aprovado neste Congresso, esta jovem de 27 anos faria também uma performance, em que ampliaria nosso conhecimento e nos encantaria com obras pouco ou nada conhecidas do público em geral. 

Tal desconhecimento merece destaque neste documento por reafirmar o descaso, enraizado em nossa sociedade, à necessidade das mulheres de se expressarem e de serem ouvidas, respeitadas, levadas em consideração.

Mayara Amaral estava engajada nesta luta de maneira responsável e profissional, interpretando com alegria e fidelidade as autoras que divulgava, também, em sua produção bibliográfica. 

Embora sua presença física não esteja mais entre nós, pleiteamos que seu destino trágico possa impedir futuras barbaridades como a de que foi vítima, mediante ações afirmativas de combate à vulnerabilidade das mulheres na música e na vida – especialmente ao feminicídio-, bem como exigindo respeito e justiça nas investigações. 

Atenciosamente

Sonora – músicas e feminismos

Ata da reunião de 11/09/2017 – interna

Pauta

A reunião de hoje não tinha uma pauta definida, uma vez que o último encontro enfocou a participação da rede na Assembleia da Anppom e no manifesto sonoro a ser realizado no mesmo congresso. Desta forma, foram discutidos os temas:

  • Organização da rede: foi sugerido retomar as atividades regulares da Sonora, paralelamente à chamada para a reunião extra feita pela Tania por e-mail para redefinir a organização da rede.
  • Quanto à reunião extra, ficou-se de reafirmar o convite por e-mail e completar o docs iniciado pela Valéria.
  • Carta em resposta à Revista Concerto: foi sugerido que redigíssemos uma carta contestando o artigo escrito pelo Júlio Medalha sobre o “Negro no Brasil”.
  • Carta em repúdio à suspensão da exposição de arte Queer patrocinada pelo Santander: foi sugerido que também nos manifestássemos contra este triste episódio.

Além destes tópicos, Mariana contou sobre a realização do manifesto sonoro em memória da Mayara Amaral no congresso da ANPPOM. Flora disse que há interesse do coletivo feminista em divulgar o áudio e/ou o vídeo do manifesto.

  • Foi lembrado que a Isabel se dispôs a fazer um arquivo conciso do manifesto sonoro para ficar no site da rede. Também foi citado que a Leila faria um vídeo para circular.

Eliana contou sobre sua experiência no III Colóquio Ibermúsicas Chile, realizado em Santiago. Ela pontuou a constatação de que, apesar de o convite aos 11 países que participaram do evento não ter sido restrito a mulheres, somente mulheres se dispuseram a apresentar trabalhos, o que mostra que são as mulheres que pesquisam sua participação na música. Também foi interessante notar que este interesse pela militância feminista se estendia a outros campos, como por exemplo o latino-americanismo, a inclusão racial e social.

  • Foi sugerido que esta experiência seja apresentada com mais detalhes em algum evento futuro da rede.

Lilian contou sobre a parceria que ela firmou em nome da Sonora com a WISWOS, WOMEN IN SOUND, WOMEN ON SOUND. Lilian disse que tomou esta atitude animada por sua participação num evento do Wiswos há alguns anos. O logo da Sonora, assim como o acesso ao site da rede, está entre os parceiros da Wiswos.

  • Foi sugerido que a Lilian contasse sobre esta parceria na lista de e-mails.

Lilian também contou sobre a flautista alemã, Sylvia Hinz, que virá ao Brasil participar do FIME. Ela enviou várias propostas para apresentar na Sonora, entre recitais-palestras, sessões de leitura de obras musicais de compositoras (es) brasileiras (os), palestras sobre mulheres na música, sobre música experimental, etc.

 

Próxima reunião

Calendário até o fim de 2017. Existem convidadas pendentes para Vozes, como a Renata Roman, Eliana para Visões, GEs sobre feminismo (fechar um texto), participação da alemã.

Crianças na Anppom

Em agosto de 2016, conseguimos encaminhar uma pauta muito importante para nós no XXVI Congresso da Anppom (Associação Nacional de Pesquisa e Pós Graduação em Música), que se deu em Belo Horizonte: o comprometimento da instituição em garantir o oferecimento de estrutura para recebimento de crianças filhas e filhos de pesquisadoras e pesquisadores durante os congressos.

Essa demanda começou a ser discutida dentro da rede Sonora no segundo semestre de 2015 depois que uma das membras da rede, tendo participado junto com seu filho do congresso da Associação no mesmo ano (2015), percebeu a absoluta falta de estrutura para o recebimento desse público implicando na impossibilidade de participação de muitas mães e pais pesquisadoras e pesquisadores.

A rede começou a discutir a necessidade de inclusão do público infantil em enventos acadêmicos e artísticos e escreveu uma carta que foi enviada a lista de discussão da associação, direcionada a diretoria da Anppom expondo essa demanda. Recebemos amplo apoio dos membros da associação, contudo, a diretoria não pode assumir o compromisso sem antes passar pelo consentimento oficial da comunidade. A proposta foi encaminhada para a Assembleia do congresso de 2016 e defendida por uma das membras da Sonora que conseguiu garantir o comprometimento dos organizadores do congresso de 2017 para viabilização da proposta.