Manifesto em apoio à liberdade na pesquisa e nas artes – casos UFBA e Paraíba

A rede “Sonora – músicas e feminismos”, através de integrantes abaixo assinados, vêm manifestar preocupação e, mais do que isso, consternação, frente a alguns recentes ocorridos que revelam intolerância e arbitrariedade em relação a pesquisas, eventos e apresentações musicais positivas ligadas a questões de raça, gênero e classe no Brasil.

Sendo assim, declara apoio à moção redigida e apresentada pelo Conselho Universitário da UFBA e assinada pelo seu reitor, prof. João Carlos Salles Pires da SIlva, em defesa de pesquisadores e grupos de pesquisa ligados a investigação sobre gênero e sexualidade, como é o caso da Professora e Pesquisadora ligada ao NEIM (Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher) que foi ameaçada de morte, e do aluno de mestrado do Professor Leandro Colling, do grupo de pesquisa Cultura e Sexualidade (CUS), também da UFBA, que teve que solicitar segurança para garantir a defesa de sua dissertação por conta das ameaças ou outras violências sofridas.

Outro caso que nos mobiliza são os ataques que podem ser qualificados como injúria e difamação sofridos pela maestrina Priscila Santana, a frente da orquestra sinfônica do Projeto Social PRIMA, na Paraíba. A maestrina, ciente do racismo sistêmico em nossa sociedade e à frente de um projeto social – portanto, comprometida com o desenvolvimento crítico e digno de crianças e jovens em situação de vulnerabilidade -, propôs um repertório musical composto só por compositores negros, com o intuito de divulgar e dar visibilidade às lutas contra o racismo e produções culturais pouco difundidas no meio da música clássica orquestral. Infelizmente, ao escolher um repertório não consagrado, em lugar de perpetuar o mesmo repertório branco, europeu e de dois séculos atrás, a maestrina foi acusada de estar se aproveitando de sua posição de poder, enquanto regente, para se autopromover. O que poderia e deveria estimular o pensamento crítico acerca da construção de canons e repertórios, e de como esta construção passa por escolhas ideológicas, resultou em atos e discursos de ódio que só fazem aumentar a intolerância em nosso já sofrido cotidiano.

A rede Sonora reconhece os trabalhos da educadora e pesquisadora do NEIM, da maestrina Priscila Santana e de tantos intelectuais e artistas como, não só importantes, mas fundamentais para o combate ao racismo, machismo, a misoginia, legbtqifobias e tantas outras violências. São trabalhos que questionam padrões e normas cristalizados denunciando posições de poder e privilégio, e mostrando outras possibilidades mais igualitárias e representativas.

Declaramos nosso total apoio à professora e pesquisadora do NEIM e a maestrina Priscila Santana. A Sonora repudia perseguições e atos repressores de qualquer natureza, principalmente no ramo das artes e da pesquisa, que são campos necessários e urgentes de reflexão e discussão sobre saberes e poderes na nossa sociedade. Censuras que têm aumentado em nosso país e que colocam em xeque a democracia cada dia mais frágil e tão corajosamente conquistada. Sendo assim, a rede se coloca ao lado dxs profissionais que lutam dia a dia para construir um país e um mundo mais justo, onde a cultura possa ser respeitada em toda a sua diversidade e pluralidade.

Assinam
Eliana Monteiro da Silva
Tânia Mello Neiva – UFPB
Antonilde Rosa Pires – UFRJ
Ísis Biazioli de Oliveira
Tânia Maria Silva Rêgo – UNIRIO
Camila Durães Zerbinatti – UFSC
Valério Fiel da Costa – UFPB
Maria Clara Valle – Violoncelista/Arranjadora/Produtora Cultural
Marcela Velon – UNIRIO
Flávia Rios – UFF
Valéria Bonafé
Carolina Andrade Oliveira
Lilian Campesato
Ariane Stolfi
Isabel Nogueira
Fabiana Stringini Severo
Catarina Leite Domenici
Denise Espírito Santo – UERJ
Flora Camargo Gurfinkel
Luciano Cesar Morais e Silva
Fernanda Pinheiro da Silva
Mariana Carvalho

Mônica Ávila de Oliveira – Saxofonista/Flautista – UNIRIO
Karin Verthein – Violinista/Educadora musical – Colégio Pedro II
Davi Donato
Ale Fenerich
Leila Monsegur
Inti Queiroz (FFLCH – USP)
Marilia Velardi
Mirian Steinberg (IA / UNESP)

Tânia Ferreira Rezende UFG

Grupos de Pesquisa e Coletivos
Africanias – UFRJ
Obiah Estudos Interculturais da Linguagem – UFG
Núcleo de Estudos Guerreiro Ramos – UFF
Músicas – UFRJ/UNIRIO
Baque Mulher – João Pessoa
Laboratório de Ensino da Arte – Instituto de Artes – UERJ
Grupo de Pesquisa em Estudos de Gênero, Corpo e Música da UFRGS – Profª Isabel Nogueira

Grupo de estudo ECOAR – Estudos em Corpo e Arte da EACH-USP

Ata da reunião de 04/12/2017 – Vozes com Flora Holderbaum

O nosso encontro hoje, na última edição da Série Vozes, foi com a violinista, artista sonora e pesquisadora Flora Holderbaum. Foi um encontro especial, pois, assim como em algumas outras edições, Flora é integrante da rede Sonora.

A artista contou-nos sobre sua trajetória. Ela escreve desde muito cedo, e abraçou a música – começando pelo violino – um pouco depois. Fez Graduação e TCC em Artes Visuais, área em que conheceu melhor o que seria sua grande via de expressão, a Arte Sonora e a Poesia Sonora. Fez mais uma Graduação, em Violino, e uniu as duas vias de linguagem, sonora e visual.

O estudo do violino clássico lhe deu ferramentas para transitar pela música experimental. Ela também estudou técnicas de mixagem, eletrônica e gravação, para poder produzir suas próprias composições de música concreta e eletroacústica. Uma pessoa que a encorajou nesta área foi a compositora argentina Alma Laprida.

Assim como Alma, Flora diz que não se reconhece como uma compositora, intérprete ou criadora, pois não vê uma única área que a represente. Circula entre várias formas de atuar, unindo diversas possibilidades do fazer. “Poema, verbo instrumental” foi das primeiras obras em que inseriu uma gestualidade mais particular, como se uma coreografia fizesse parte da obra. Ela também começou a trabalhar com ruídos, sons vocais não convencionais e outras técnicas estendidas, realizando obras que podem ser ouvidas em seu soundcloud, em https://soundcloud.com/flora-holderbaum.

Das pedras no caminho

Flora acha que, no Brasil, o caminho não é tão fácil para artistas que se interessem pela área em que atua. Os equipamentos são caros, a informação de como realizar determinados procedimentos não é de simples acesso, os cursos são dispendiosos e têm-se que descobrir os processos sozinha (o). É assim que ela percorre seus caminhos, testando, experimentando, retomando materiais que usou em trabalhos anteriores, revisitando trechos, inventando outras peças, criando coisas novas.

A microvocalidade é uma das façanhas que a atrai, como pode ser conferido em “5 peças para vocalidades mínimas ou microvocalidades”, também disponível no seu soundcloud. A artista explora fenômenos como granulação, pequenos fragmentos de voz e outros micro processos. A oralidade e a escritura são vistas por ela como contínuas, não como opostas. É uma performer que compõe e usa tudo o que lhe parece moldável. Neste sentido a peça “Máquina de lavoz” é um exemplo da aplicação de vários softwares, ruídos e procedimentos, a partir do som de uma máquina de lavar em movimento.

Compositora, intérprete e…

Flora mescla vídeos e gravações com performances ao vivo. Trabalha bastante em parceria com outras (os) artistas.

Tem se interessado particularmente pelo processo terapêutico vivido pelas pessoas que participam das produções vocais e/ou instrumentais. Em “Máquina de Lavoz” ela trabalha os harmônicos gerados pela máquina de lavar, sobrepondo também sua própria voz no processo. O resultado parece dar uma sensação de paz a quem ouve, fenômeno que ela quer estudar mais a fundo futuramente.

Influências

O contato com integrantes do NuSom lhe abriu novas possibilidades. Conhecer a Lilian Campesato, o Fernando Iazzetta e a Valéria Bonafé, entre outras (os), motivou sua vinda para São Paulo e o interesse pela pesquisa no campo da arte sonora e da improvisação. Luís Vanzato também é uma referência para ela, juntos trabalharam em “Synchronia”, para voz, violino e eletrônica. Ela cita também Silvio Ferraz e suas ideias sobre sibilações, além de outros procedimentos.

Leila Monségur também é uma parceria cara a Flora, assim como Julia Teles e outras pessoas do NME (Núcleo de Música Eletroacústica). Há um tempo Flora participa da Revista Linda NME e, em algum ponto, encontrou a Leila e juntas fizeram o projeto que foi selecionado pelo edital de música e audiovisual para mulheres criadoras do 4º Festival Música Estranha, em 2016, idealizado em parceria com a rede Sonora. O tape chama-se “Miss Sound System” e pode ser visto em https://www.youtube.com/watch?v=Zx41NWguDjs.

Daniel Quaranta lhe deu várias dicas de como tirar o máximo de determinadas ferramentas. Mas, ao final, a escuta é sua melhor guia, a necessidade poética lhe direciona para os recursos possíveis.

Excessos e mínimos

Flora gosta de sair e voltar para o mínimo, que considera o duo violino e voz. Isso é recorrente em alguns de seus trabalhos, que partem de um espectro mais reduzido, alcançam uma vastidão que caracteriza como excesso e retornam ao mínimo essencial do início.

A artista mostrou sua produção foi em torno da temática dos chás, para o NME Chá.  A peça Chea-chá de ‘Passi.flora’ está no seu repertório do soundcloud.

Oficinas

Atua em oficinas de arte sonora e composição, em São Paulo e em outras cidades. Nelas a autora fala de poetas sonoras (os) e de vocalidades, questionando o lugar da voz e dos sons – do canto ao grito, o choro, etc.

Flora mostra trabalhos seus e estimula as e os alunos a trazerem materiais próprios para serem manipulados na oficina. Ela disse que surgem coisas maravilhosas, resultantes da teoria e da prática com palavras, gestos e sons. Ela pensa nos conceitos de Fucault sobre a possibilidade de emergência de vozes, quais vozes são permitidas, quais foram cerceadas, o que é possível fazer com e a partir delas.

Criações conjuntas

A improvisação [Re]Invenções, feita com Mariana Carvalho, Inês Terra, Nathalia Francischini e o NME, fez parte de um projeto do Proac. Flora conta que cada integrante veio com seu próprio repertório musical, corporal e gestual, combinando estéticas diversas. Ela gosta deste tipo de interação e composição conjunta.

Em Recife descobriu outros trabalhos acerca da cartografia do corpo, similares ao que ela pesquisa. Ela achou interessante como vários autores pensaram a atuação do corpo nos processos criativos, temáticas com as quais ela também se envolve.

Próximos passos

Flora pensa agora em trabalhar mais acústicos, com voz e violino, ou outras possibilidades. Também quer se dedicar mais à escrita para poder compartilhar suas criações com outras (os) intérpretes. Ela se lembra de uma peça que fez nesta linha, com a Marcela Lucatelli no Estudiofitacrepe, a qual curtiu bastante. Este trabalho surgiu de uma residência artística.

 

 

 

Vozes com Flora Holderbaum

 

Flora Holderbaum é violinista, compositora e performer da voz. É co-editora da revista linda desde 2015. Bacharel em Artes Visuais-Pintura e Gravura (2006) e em Música-Violino (2014), ambos pela UDESC; Mestre em Música -Teoria Estética e Criação pela UFPR (2014), sob orientação de Daniel Quaranta. Integra o NuSom (Núcleo de Pesquisas em Sonologia da USP), onde faz doutorado em Música-Processos de Criação Musical-Sonologia, sob a orientação de Fernando Iazzetta. Trabalha com processos criativos em torno de poéticas vocais e instrumentais, com ênfase na Poesia Sonora e suas intersecções com a Música Experimental e suportes eletrônicos. Sua pesquisa atual gravita em torno de uma cartografia das emergências vocais a partir da relação entre as formações discursivas, na literatura dos estudos da voz, e não-discursivas, nos processos composicionais dentro do repertório vocal contemporâneo.

04/12/2017, segunda-feira às 17h30
Haverá transmissão. Link será postado neste evento no dia.

CMU-ECA-USP – sala 12

Vozes é um espaço que recebe artistas mulheres para apresentarem e falarem sobre seus trabalhos. Com uma dinâmica mais informal, é um espaço aberto para a conversa e para o compartilhamento de experiências

Apoio:

Ata da reunião de 27/11/2017 – Vozes com Thais Montanari

A edição de Vozes de hoje recebeu a compositora e pesquisadora Thais Montanari. Thais se graduou na UFMG, fez Mestrado na Universidade de Montreal e está fazendo Doutorado na mesma instituição, no Canadá. Seu projeto envolve outras mulheres e outras vertentes artísticas. Trabalha, entre outros, com questões de gênero na música, pensando a relação entre espaços públicos e mulheres na sociedade.

Durante a graduação, Thaís formou um grupo para trabalhar composição. No Mestrado, ela passou a se interessar mais por trabalhos engajados, querendo atuar artisticamente em prol de causas sociais. Aliar imagens visuais, como em documentários, a sons e ao fazer musical. Sair da performance tradicional mais distante do público. Foram 2 anos de muito questionamento.

No Doutorado, ela tem trabalhado em torno de 4 ideias:

  1. Criação conjunta com intérpretes, num espaço em que possam discutir também questões não musicais.
  2. Como buscar espaços acessíveis para entrar em contato com públicos mais diversificados, que não necessariamente frequentam salas de concerto, museus, etc.
  3. Projetor interdisciplinares. Conhecer dispositivos capazes de servir a músicos e artistas de outras áreas.
  4. Notações possíveis para ilustrar as ideias musicais.

Obras

“Ser Ruído”. Foi composta durante o Bacharelado em composição. Para esta peça Thaís gravou sons da cidade (Belo Horizonte) e integrou com sons de instrumentos acústicos tocados por um grupo formado com colegas. Foi produzido um vídeo, fragmentado, que projetava um texto da compositora, bem como outras imagens visuais, em vários canais. A obra foi apresentada num espaço de Belo Horizonte, em que o público ficava em volta e havia interação entre o mesmo e os e as musicistas.

“Plug”. Utiliza Facebook, youtube, celular e outras tecnologias atuais. Estas atuam junto à performance de instrumentos acústicos.

Projeto atual: “Eu não sou um espaço público”. Envolve 7 musicistas, cada uma criando um solo de 6 a 7 minutos. Destas 7 performances e personagens ela pretende fazer uma só obra.

Thaís quer discutir a questão da mulher ser vista como espaço público, a vulnerabilidade, o fácil acesso e o desrespeito das pessoas em relação à mulher. Ela tem estudado muito os espaços públicos, o que a faz pensar no modo capitalista com que os espaços são pensados.

 

Processos

Para a criação de “Eu não sou um espaço público”, Thais discutiu com as musicistas de seu grupo de trabalho a ideia de ser personagem em diversas situações do cotidiano. Como ela está em Montreal, as experiências narradas pelas integrantes são muito distantes entre si e muito diversas da experiência que ela conheceu no Brasil. Há um certo choque cultural. Juntar estas 7 pessoas tão diferentes é um dos desafios do trabalho. Há também uma cineasta trabalhando no projeto.

A escolha das intérpretes e da cineasta se deu durante o Doutorado, em disciplinas destinadas a integrar compositores e intérpretes. A dificuldade dela foi se deparar com outros interesses, outras ideias, o que também gerou crises ocasionais que tiveram que ser trabalhadas e amadurecidas.

O contato compositora e intérpretes se deu sem hierarquia entre as partes. Thaís respeita muito a relação de instrumentistas com seus instrumentos e acatou as ideias das musicistas em relação a isto. Segundo ela, todas são muito criativas e não ficaram esperando comandos para atuar. A obra tem muito da personalidade de cada uma.

Além das filmagens das intérpretes tocando e improvisando, Thais também utiliza outras imagens delas em lugares diversos, espaços públicos. Ela também filma alguns espaços sem atores. Tudo isso será mixado e editado para um vídeo final. O processo é de colagem, e também de reciclagem. A compositora faz uma espécie de orquestração de todas as ideias trazidas pelas intérpretes. A cineasta escolhe os enquadramentos e pontos ligados à projeção. A obra discute a atuação da mulher em vários espaços públicos, mesmo os mais “privados” como as redes sociais, as lojas, etc.

Notação

Thais elabora guias, que ela chama de partitura-texto, em suas criações em geral. Nestas partituras coloca itens que as (os) intérpretes devem pensar e discutir para elaborar suas peças. No caso da obra “Eu não sou um espaço público”, Thais comenta que o clima de Montreal interfere nas decisões, pois pouco se pode atuar em espaços abertos nas estações mais frias. Alguns itens do “guia” para esta obra são provocações para as musicistas, como como elas se sentiriam em determinados lugares, situações, etc.

Não há partituras individuais, há mais um registro geral da compositora, em que ela “transcreve” alguns dos procedimentos feitos pelas musicistas.

Compositora e intérprete

Thais participa de suas peças, também, como intérprete. Isto faz com que seja um pouco difícil que suas peças sejam reproduzidas na sua ausência. Ela atua como criadora, mas também como motor propulsor de suas obras. Gosta de desconstruir a ideia de compositor (a) que tolhe os (as) intérpretes, mesmo porque ela nem sempre tem ideias a priori na composição.

Esta visão de criador (a) que cria uma partitura estanque foi um dos embates que ela encontrou durante o curso de graduação. Por outro lado, concorda que muitos intérpretes queiram este direcionamento. Para isso, ela procura trabalhar com musicistas abertos (as) a este tipo e proposta.

Doutorado no Canadá

Como resultado de sua pesquisa de Doutorado, Thais deve escrever o processo de criação, gravação e registro de seu projeto. Neste momento ela está trabalhando com uma musicóloga para embasar esta experiência.

Alguns tópicos de sua pesquisa, como a discussão da necessidade de espaços específicos para a música acadêmica, geraram polêmica no âmbito da universidade. Por esta razão, ela e seu orientador procuraram uma co-orientação na área musicológica.

Outros projetos

Thais quer também discutir musicalmente a atuação da mídia na formação de cabeças pela repetição exaustiva de certos assuntos e pontos de vista. Ela apresentou uma versão de seu novo trabalho, “Brain washed brain dead” em Belo Horizonte, com 2 músicos que ela já conhecia, e em Bogotá, com duas musicistas que ela conheceu lá.

Em Bogotá ela achou muito positiva a oportunidade de, motivada pela música, poder discutir assuntos que ela estava interessada, como o plebiscito que tinha ocorrido pouco tempo antes de sua chegada à Colômbia. Ela mostrou um trecho do vídeo deste trabalho.

Influências

John Cage, pela liberdade e coragem. Luc Ferrari, pelos procedimentos de unir sons e ruídos. Mas, mais do que pessoas, Thais tem se interessado por instalações sonoras e por improvisações.

Para sobreviver

A compositora tem trabalhado em montagens de festivais, tanto na logística como na montagem de peças. Ela se deparou com a realidade de que no Brasil, as mulheres não penetram estes lugares, isto não é uma opção.

Ela percebe que há barreiras de gênero nestas profissões, o que acaba gerando uma dependência das compositoras e intérpretes em relação às atividades técnicas da música. Thais se encontrou nestas atividades, o que lhe era impossível quando morava no Brasil. Ela dava aulas para crianças, embora não pensasse em fazer isso profissionalmente por muito mais tempo.

Dilemas da profissão

Determinadas dificuldades às vezes colocam Thais em crise sobre a criação musical. O contato com intérpretes, que ela preza, a coloca, às vezes, em uma situação de dependência que dificulta a execução de certos projetos. Em relação à dança ou outras artes, ela acha que na música as coisas são mais difíceis de acontecer. Ela encontra mais resistência por parte de intérpretes do que ela pensa que exista em outras áreas.

Na sua concepção, a eletrônica não substitui o contato com musicistas.

 

 

 

 

Vozes com a compositora Thais Montanari 


Sonora – músicas e feminismos convida para um encontro com a compositora mineira residente em Montreal, Thais Montanari. Nessa realização de mais um encontro da série Vozes, Thais vai compartilhar seus trabalhos e projetos. Atualmente Thais faz doutorado em composição musical e criação sonora na Universidade de Montreal. Sua pesquisa procura sugerir formas de compor peças que estimulem artistas de todos os meios a colaborarem para transmitir questões sociais atuais através de performances em espaços outros que a tradicional sala de concerto. É uma compositora que está frequentemente comprometida com a produção e a difusão de projetos artísticos contemporâneos e socialmente engajados. Atualmente desenvolve um trabalhando com uma cinegrafista e sete musicistas em um projeto que tem como objetivo destacar a relação entre a noção de espaço público e as mulheres em nossa sociedade.

27/11/2017, segunda-feira às 17h30
Haverá transmissão. Link será postado neste evento no dia.

CMU-ECA-USP – sala 12

Vozes é um espaço que recebe artistas mulheres para apresentarem e falarem sobre seus trabalhos. Com uma dinâmica mais informal, é um espaço aberto para a conversa e para o compartilhamento de experiências

Apoio:
NuSom

Ata da reunião de 14/11/2017 – Vozes com Sylvia Hinz

A reunião de hoje foi dedicada a mais uma edição da Serie Vozes, desta vez com a flautista alemã Sylvia Hinz. Esta edição teve o apoio do grupo Escritas e Invenções Musicais, além do Núcleo de Pesquisas em Sonologia.

Sylvia é artista residente em Berlim e começou o evento falando e mostrando seus instrumentos, uma coleção de flautas de diversos tamanhos e sonoridades. A mais conhecida é a recorder, ou flauta doce, usada – ou, como ela diz, mal-usada – na iniciação musical em escolas. Ela mostrou também algumas técnicas estendidas que podem ser aplicadas a todas as variantes do instrumento.

Sylvia disse que dá preferência a tocar música contemporânea, especialmente criada por mulheres. Em sua vinda ao Brasil, fará vários concertos intitulados “ Infelizmente desconhecidas”, em que mostra parte deste repertório. Ela não vê razão em tocar obras que outras (os) flautistas já interpretaram centenas de vezes antes dela. Em vez disso, acha interessante tocar obras atuais, que falam de questões do momento em que vivemos. Da mesma forma ela não vê propósito em divulgar obras de homens, que são divulgados o tempo todo em todo lugar.

 

Das compositoras

Entre as compositoras interpretadas por Sylvia Hinz está a romena Violeta Dinescu. Em partituras como “Gräser”, Sylvia reconhece um forte apelo visual e gráfico. A compositora não costuma enviar indicações específicas para decifrar sua escrita. Antes, prefere que a (o) intérprete crie suas próprias soluções e versões da peça a partir da partitura. No caso de sua peça para Trio, a flautista pensa que é interessante que o grupo pense em soluções comuns para os problemas apresentados. Outra abordagem possível é não adotar um padrão para as três partituras deliberadamente.

Nicoleta Chatzopoulou, grega nascida em 1976, também faz parte do rol de criadoras mostradas por Sylvia. Na peça apresentada, “Distant Fields”, a intérprete é chamada a dar contribuições. A compositora lhe cede uma cópia de sua gravação com sons eletrônicos e a flautista toca com este material. Sylvia acha esta peça particularmente importante justamente por ser uma mulher trabalhando com eletrônica, e conta que, na estreia, havia também uma mulher operando a mesa de som. Segundo a intérprete, os homens que estavam no evento se incomodaram por ser dispensados de trabalhar como engenheiros de som para ambas.

Sylvia tocou ainda a peça “Birds”, da canadense Clio Montrey, e mostrou um vídeo de sua performance com a artista plástica Carola Czempik. Com esta última ela tem trabalhado indo a seu ateliê e escolhendo pinturas sobre as quais improvisa, grava, interage. Sua improvisação é influenciada pelas imagens e vice-versa, pois a artista plástica também pinta de acordo com o que ouve em tempo real.

Sylvia é autora de algumas improvisações que viraram peças eletroacústicas, como “Anonyma”. Esta é uma obra homenagem para as mulheres guerreiras que oferecem resistência ao grupo armado ISIS, no Oriente Médio.

Ela também trabalha com as produtoras do site Female Pressure.

 

De onde vem o interesse pelas compositoras

O interesse de Sylvia pelas mulheres criadoras se deu na adolescência, quando notou que o conservatório em que estudava só lhe apresentava compositores homens. Ela decidiu ir atrás de músicas feitas por mulheres, mas diz que não é uma tarefa fácil pelo medo de muitas delas de divulgar seus contatos ou endereços eletrônicos. Encontrar partituras antigas é ainda, de acordo com ela, mais difícil. Há que ir pesquisar em bibliotecas de universidades de seus países de origem, o que torna cara a empreitada.

 

Relacionamento com as autoras

Em geral Sylvia diz ter uma boa relação com as compositoras. Porém, de vez em quando pode dar mais trabalho. Um dos problemas é que a maioria das autoras compõe ao piano e transpõe para a flauta, o que dificulta para a intérprete. Frequentemente elas colocam sons muito agudos ou muito graves, abusam das dinâmicas ppp ou fff e outros procedimentos impossíveis de realizar. A flautista, porém, prefere trabalhar com estas peças do que com novas versões de peças antigas, “neobarrocas”, ou “neorrenascentista”.  Por mais esforço que demande, ela opta por desvendar novas produções.

 

 

Ata da reunião de 13/11/2017 – interna

Pauta: Site e redes sociais da Sonora; preparativos para a série Vozes com Sylvia Hinz.

  1. Informe sobre o e-mail escrito por Isabel, Joana e Camila, e assinado por várias Sonoras, que foi enviado à Diretoria da ANPPOM, solicitando um Grupo de Trabalho sobre Música e Gênero. Houve uma resposta positiva, sinalizando uma maior abertura em 2018: haverá chamadas para simpósios temáticos.
  2. Conversa sobre maior divulgação das redes sociais da Sonora (facebook e youtube): enviamos um e-mail pra lista solicitando curtidas e inscrições, a fim de ter acesso a mais ferramentas, como exemplo, criar o link personalizado do youtube da Sonora.
  3. Reestruturação e atualização do site da Sonora:
    • a) reformulamos alguns textos, como o ‘sobre’;
    • b) reorganizamos o menu, por exemplo, separando ‘projetos’ de ‘ações’ e agrupando as ‘atividades regulares’ (vozes, visões e grupo de estudos);
    • c) criando também a aba ‘parcerias’;
    • d) ficou pendente pensar em como organizar melhor o conteúdo da aba ‘acervo’ (com link e referências).
  4. Ajustamos os últimos detalhes e tarefas para o Vozes com a Sylvia Hinz (14/11).

Próximas reuniões:

14/11/17: Série Vozes com Sylvia Hinz.

27/11/17: Série Vozes com Thais Montanari.

Vozes – Sylvia Hinz (Divulgação)

Sonora: músicas e feminismos convida para o concerto-palestra com a flautista residente em Berlim Sylvia Hinz. Ela é especializada em música contemporânea e improvisação. Nesse encontro, Sylvia vai falar sobre o seu instrumento – flauta doce – e fará a performance de algumas peças, em sua maioria composta por mulheres. Um de seus interesses está em promover o trabalho de mulheres na música a partir de ações de arteativismo que proporcionem a capacitação de mulheres artistas e a conscientização sobre a participação delas na música. Sylvia Hinz vai tratar também da cooperação entre mulheres performers e compositorxs, bem como mostrar partituras, vídeos e descrever seus trabalhos que dialogam com outras formas de arte, como a pintura e a dança, por exemplo. Compositorxs estão convidadxs a trazer suas obras para flauta doce para serem lidas durante o encontro.

 
Sylvia Hinz é uma das mais reconhecidas e atuantes flautistas dedicadas ao repertório de música contemporânea e improvisação para flauta doce. Ela vem realizando um trabalho amplo de divulgação de mulheres compositoras. Além de suas performances solo, de música de câmara e como solista de orquestra, ela tem se apresentado com formações instrumentais não usuais e colaborado com artistas de outras áreas como a pintura, escultura e literatura.

Ata da reunião de 06/11/2017 – Vozes com Renata Roman

Renata Roman pesquisa as poéticas do som e escuta. Nesta edição da Série Vozes, ela contou que não escolheu o som, antes, foi escolhida por ele. Sua formação é de atriz. Ela iniciou fazendo radio arte, programas ecléticos e outras atividades. Em 2010 fez uma viagem, na qual teve experiências que mudaram sua percepção da arte e do som. Ela estava em Londres, na Tate Gallery, e, de repente, sua escuta se abriu para os sons das pessoas do local, dos ruídos do ambiente, de tudo. Neste momento ela decidiu gravar estes sons e, a partir daí, gravar os sons do mundo.

Voltando ao Brasil, ela descobriu que pouquíssimas pessoas trabalhavam com esta vertente da música e da arte. Todo seu trabalho é voltado, até hoje, para a reprodução daquele momento de abertura auditiva que a artista viveu na Tate.

A gravação de campo está no centro de seu trabalho. Em 2011 ela criou um mapa sonoro do centro de SP, com ajuda de dois artistas espanhóis. Renata se vê como autodidata e, por esta condição, às vezes demora um pouco para desenvolver técnicas e tomar decisões sobre plataformas e recursos afins. Diz que trabalha com a “precariedade”, pois não conta com recurso externo e utiliza materiais que estão ao seu redor, ou que vai buscar por si mesma.

Renata tirou um ano sabático para experimentar as plataformas, editores, etc. Trabalha com o “Audacity”, apesar de algumas pessoas criticarem este programa. Ela entende que a técnica é importante, mas não é determinante. Se a (o) artista se empenha, dá para se virar.

Obras, processos

Em 2013, Renata foi convidada pela Radia network, para fazer um programa de radio arte na Resonance FM. Ela abordou a temática indígena, que lhe é muito presente e está em suas preocupações. Este programa, intitulado “Native”, foi posteriormente reeditado e está disponível em seu site https://renataroman.tumblr.com/radio .  Recentemente a artista Janete El Haouli colocou “Native” na Documenta.

A gravação de “Native” foi feita em Paraty, com um jovem indígena. Ela também gravou manifestações indígenas, trabalhando tudo isso com mixagem. Renata acha que, neste sentido, seu trabalho tem uma intenção política, de chamar atenção para questões como o abandono dos índios e a falta de respeito a seus direitos.

Em “Ornitorrinco”, também disponível no link citado, a inspiração foi a questão Norte-Sul, e os reflexos desta dicotomia no Brasil. Foi composta para a Süden Radio.

Em relação ao seu processo de criação, ela primeiro escolhe um tema. Fica um tempo mergulhando no tema, colhendo material, pesquisando. Renata não pensa no material sonoro a priori, mas sim nos textos, nas temáticas. Conforme ela começa a gravar, as necessidades aparecem e ela vai escolhendo os sons para ilustrar as imagens que lhe vem à mente. Seus processos são solitários.

Ela também recebe gravações de outras pessoas, que guarda para usar no momento oportuno.

Renata faz instalações, um outro trabalho diferente do trabalho de radio. Ela quase nunca reutiliza gravações ou trechos em novas produções. Trabalha com fones de ouvido para ter mais clareza de detalhes, mas depois os retira e faz acertos posteriores.

Renata pensa que radio arte é um radio que perde sua função “utilitarista” no sentido de ser uma subversão, uma anti-narrativa. Como se a radio arte fosse poesia e radio fosse prosa. Radio arte é uma peça feita para radio. Feita por artistas.

Em 2015 ela foi comissionada para o Tsonami International Festival of Sound Art, no Chile. Nesta obra a artista não colocou sua própria voz, ela quis dar voz aos que não a tem, aos não ouvidos. A peça se chama “Sampa”. Renata quis mostrar a diversidade de SP, a ocupação do espaço urbano, sem falar, sem ser muito discursiva. Ela fez gravações em bairros e localidades diferentes da cidade. A chamada do festival era Audioficcion: Imaginación sónica y especulación urbana.

Renata gravava com gravador e protetor de vento, mas chamava atenção, as pessoas perguntavam, colocavam a mão no gravador e às vezes estragavam a possibilidade de uma coleta de materiais. Agora ela grava com um Binaural, que é discreto e as pessoas não identificam com um gravador. O problema aí é pessoal, pois às vezes Renata pensa se tem o direito de gravar ao ar livre, indistintamente, com as pessoas desatentas para o fato. Ela imagina como as pessoas sentiriam o resultado da obra. De qualquer forma ela guarda tudo num banco de dados, para peneirar depois.

A artista conta que tem um prazer imenso em escutar o mundo. Sua atenção, na gravação de campo, é total e faz parte do processo de criação. Raramente ela descobre sons ou sensações num segundo momento, depois de terminada a gravação. Isso ocorre simultaneamente.

E a parte prática? É possível sobreviver com a arte sonora?

Renata diz que não. Ela vive da educação, dando oficinas de teatro, nos quais insere a escuta, os processos de criação. Mas não dá para ganhar dinheiro com a arte sonora.

A obra “404 not found” é política. Foi criada em 2014 e usa uma cadeira e uma luz de interrogatório. Outra obra, “Memória da Casa”, trata de cada cômodo de uma casa, imaginando o que aconteceria naqueles espaços. Foi apresentada em 2011. É uma obra complicada, porque depende de ter uma casa vazia para que se possa ouvir os sons arquetípicos de uma casa. Renata levou este projeto para a Argentina, a convite de um artista que encontrou uma casa vazia lá. Este projeto deve ser apresentado 8 vezes e depois abandonado (questões pessoais da artista). Começou sua trajetória em 2012 e a última vez que foi apresentado data de 2015.

Há uma instalação chamada “Euspetáculo”.

 

Música experimental

A mulher na cena experimental usa muito a voz. Por esta razão, Renata quis abordar este tipo de criação usando outros instrumentos. Ela usa as gravações de campo também para compor música experimental. Ela se questionou sobre a diferença entre o radio e a música experimental e chegou à conclusão de que o radio arte é muito mais livre do que a música.

A artista foi para a prática antes de pensar nela. Por isso acha complicado lidar com a subjetividade inerente à composição de música experimental. Para ela, quando pensa em música, pensa mais nos sons do que nos conceitos. Ela crê que a radio arte lhe dá mais possibilidades.

Na peça “Melissa”, feita para o NME com inspiração no chá de melissa, ela usou o clarinete. Ela mesma toca e improvisa ao instrumento. Ela gosta de lidar com o desconforto, tentar coisas novas, instrumentos e procedimentos.

Também para o NME ela compôs “Pytang”. Aqui usou mais gravações de campo. Renata tem também um CD lançado pelo Seminal, o Oye, com gravações de campo em SP. Ela tem também material gravado na Praça da Sé, num projeto chamado “Marco Zero”.

Renata esteve como residente em Cuba, onde também realizou gravações de campo. Ela tem ido várias vezes.

Influências

A artista acha difícil responder a esta pergunta. São muitas referências e, ao mesmo tempo, nenhuma em especial. É complicado não ser injusta ao apontar referências, pois não é possível detectar exatamente quem influenciou qual parte do trabalho ou da trajetória.

Questões de gênero – Dissonantes

As questões de gênero motivaram a criação do projeto “Dissonantes”, uma serie de concertos de mulheres com a parceira Natacha Maurer. Ele vem para tentar responder à pergunta “Onde estão as mulhres na cena experimental? “. Nasceu em 2015. O Dissonantes pensa na ocupação por mulheres da cena da música experimental, seja no palco, na plateia, na produção ou na engenharia de som.

Renata não sente hostilidade em relação à mulher na cena musical. Sente uma indiferença, o que talvez seja um tipo de hostilidade. Existe um discurso de negação desta problemática, velado. Ela diz que precisamos abrir à força os espaços. Não podemos nos intimidar pelo fato de que as mulheres estão sendo mais evidenciadas para não “pegar mal”.

Projetos futuros

Renata está trabalhando em peças radiofônicas, continua com os mapas sonoros e tem outras ideias. O tempo de suas criações pode ser mais longo ou mais curto. Já teve ocasiões em que o prazo se esgotou e ela teve que encarar 15 ou 16 horas seguidas para entregar.

 

 

 

Vozes – Renata Roman (Divulgação)

Sonora convida para mais uma edição da série Vozes na próxima segunda-feira, 06/11/2017, às 17h30. Nesse encontro receberemos a artista sonora Renata Roman.

 

Renata Roman pesquisa as poéticas do som e escuta. Seu trabalho transita entre radioarte, instalações, música experimental e cartografia sonora.

Participou de várias mostras e festivais no Brasil e exterior, tais como FILE Hypersonica 2012, 30ª Bienal Internacional de Artes de São Paulo (Mobile Radio),

Tsonami Córdoba (AR), Echoes/Osso (PT), Hilltown New Music (UK), Süden Radio (IT/DE), DubellRadio Festival (SE), Galeria Perenne (AR),

Radiophrenia (UK), Festival Internacional de Arte Sonoro 2015 (CH), entre outros.

Criou e mantém o mapa sonoro de São Paulo (SP SoundMap) e possui gravações de campo em mapas sonoros colaborativos: Audiomapa (CL) e MoMA (USA).

renataroman.tumblr.com