[Referências] Teias e viagens, dentro e fora: arte sonora e corpo-relação com Mariana Carvalho e Francisco Lauridsen Jalala

Playlist Sonora #1 na Radio CASo, todas as sextas de junho às 18h: https://centrodeartesonoro.cultura.gob.ar/info/radio-caso/

site (em construção) : www.marianacarvalho.me


grupos e coletivos

  • Sonora – músicas e feminismos

pianismos de borda, piano como lugar de expansão

  • TCC: Explorações de uma relação particular e de expansão com o piano: presença, experimentação e interação. Orientação: Rogério Costa.
  • Tese Chico: Francisco Lauridsen Ribeiro – Esboçamentos de corpossom: a escrita do corpo e a víscera do som

https://teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27158/tde-16052019-120236/pt-br.php

  • estudo em nylon – linhas de fuga
CMU – USP, São Paulo, 2017.
CASo – Centro de Arte Sonoro de la Casa del Bicentenario, Buenos Aires, 2018.

Residências artísticas:

nylon bites (2018- )

playlist com vídeos:
https://www.youtube.com/playlist?list=PLgfTAOEH0e4cFlerfTJDz8b_zjIPtT3Lv

Quina Filmes: https://www.facebook.com/quinafilmes/

Exposição Sons de Silício: 

https://sonsdesilicio.files.wordpress.com/2019/07/catalogo-prev-1.pdf

me alimento de voces (2019 – ) [antropofagia, promiscuidade]

Anna Raimondo – New Genders of Listening #2: in conversation with Mariana Carvalho:

promiscuidade, escuta relacional, intimidade: Brandon Labelle – Acoustic Territories – Sound Culture and everyday life, Bloomsbury academic, 2010.

antropofagia: Susan Campos Fonseca no Sonologia 2019:

https://www.susancamposfonseca.net/single-post/2019/04/18/Estudios-sonoros-tecnofeministas

Performance em outubro de 2018, no Espacio Incognita em Broken Toy (colaboração com AADK Spain e suporte de Selu Herraiz): https://espacioincognita.com/

“me alimento de voces/me alimento de vocês

Sólo podemos atender al mundo orecular.
[Manifiesto Antropófago – Oswald de Andrade, 1928]

Entra. Canta en mi boca. Escucha tu sonido procesado por mi cuerpo. Tu voz, tus ruidos y tus silencios, me los como. Los filtro con mi carne, mis huesos y en mi intimidad. Audibilizo todo lo que devoro y digiero, en el mundo orecular. Soy aural y soy oráculo, cúmulo de tus voces. Me alimento de voces. Alimento-me de vocês.”

peça feita com os registros da performance:

Coleção de vozes das quais tenho me alimentado

  • Women’s Improvising Group (2019): https://www.youtube.com/watch?v=G29GL02nJtI
    Maggie Nicols, Charlotte Hug, Caroline Kraabel, Matilda Rolfsson, Sarah Gail Brand, Mariá Portugal, Joana Queiroz, bella, Nanati Francischini, Mariana Carvalho
  • Lílian Campesato e Valéria Bonafé: A conversa enquanto método para emergência da escuta de si

http://www.seer.unirio.br/index.php/revistadebates/article/view/9651

  • Coletiva Escuta: Biancamaria Binazzi, Mariana Carvalho, Renata Gelamo e Ritamaria
  • Escuta Profunda: Pauline Oliveros e curso com Isabel Nogueira

Pauline Oliveros – Deep Listening: A composer’s sound practice, 2005.

  • Ximena Alarcón

https://www.ximenaalarcon.net/

  • Colegas da cena de música experimental e improvisada: Flora Holderbaum, Ines Terra, Julia Teles, Laura Mello, Leila Monsegur, Marina Mapurunga, Nanati Franciscini, Flavia Goa, Natasha Xavier, 
  • Hermanas latinoamericanas de la escena: Alma Laprida, Ce Pams, Florencia Kurch, Paula Sanchez, Roxana Draks, Paula Sanchez, Viviana Ramos.
  • Companheiras europeias improvisadoras, performers e artistas: Alba Maia, Alesandra Rombolà, Aurora Rodríguez, Beatriz Gijón, Irina Bardoczi, Ioana Nitulescu, Luisa Alvarez Armesto, MAYUHMA, ,Sânziana Dobrovicescu, Yumi Celia
  • Cotiara produtora (Samya Enes, Ana Elisa Mello):

https://www.instagram.com/cotiaraprodutora/

Teias e viagens, dentro e fora: arte sonora e corpo-relação com Mariana Carvalho e Francisco Lauridsen Jalala

Francisco Lauridsen Jalala conversa com Mariana Carvalho acerca do trabalho da artista sob escopo da arte sonora. O encontro entre estas duas pianistas de formação aborda a trajetória de Mariana e seus atuais interesses de pesquisa. Ela tem se debruçado na experiência de um corpo-relação, a partir de deslocamentos geográficos, bem como a partir da Sonora e os grupos e coletivos aos quais pertence(u), mulheres que atravessa(ra)m sua trajetória e proposições etnográficas múltiplas. Mariana se interessa pelos limites entre dentro e fora: eu e x outrx, o corpo como filtro, escuta, a promiscuidade do som, ser habitada por diversas vozes.

Evento: https://www.facebook.com/events/562966564410500/

Playlist Sonora #1 na Radio CASo

Primeira playlist da Sonora – músicas e feminismos com faixas de algumas mulheres brasileiras da música experimental/contemporânea para a Radio CASo, do Centro de Arte Sonoro de la Casa del Bicentenario, de Buenos Aires.

A playlist vai ao ar em todas as sextas-feiras do mês de junho, às 18h (Arg/Br):
05/06; 12/06; 19/06 e 26/06.

Artistas presentes: b-Aluria, bella, Carla Boregas, Daniele Costa, Eliana Monteiro da Silva, Flavia Goa, Ines Terra, Isabel Nogueira, Julia Teles, Laura Mello, Lílian Campesato, Mariana Carvalho, Marina Mapurunga, May HD, Natasha Xavier, Renata Roman, Sonora, Teratosphonia, Valéria Bonafé e Vanessa de Michelis.
Organização: Daniele Costa e Mariana Carvalho.

Link para escutar a radio CASo (24h).
Programação completa da Radio CASo.

[Referências] Música clássica brasileira e as práticas coloniais: racismo, sexismo e relações de apadrinhamento com Antonilde Rosa e Dani Sou

Publicação de Antonilde Rosa:

Cantoras Afro-brasileiras de Ópera: Uma Reflexão Sobre a Ausência de Cantoras Líricas Negras nos Livros de História da Música Brasileira  do Século XIX:  http://www.abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/224/240

O “PRETUGUÊS”: vocalidades da persona Mãe Preta da canção Bonequinha de Sede de Francisco Mignone

https://www.copene2018.eventos.dype.com.br/resources/anais/8/1527907081_ARQUIVO_ANTONILDE-CANCAODASMAESPRETAS-2.pdf

Ópera, Raça e Gênero Sob o Ponto de Vista de Artista Negras(os) – Revistas Música USP

Invisibilização de personalidades negras:

Livros:

Silvio Almeida. O que é racismos estrutura? http://www.uel.br/neab/pages/arquivos/Livros/ALMEIDA,%20Silvio_%20O%20que%20%C3%A9%20Racismo%20Estrutural_.pdf

Naomi André Black Opera: History, Power, Engagement. https://www.press.uillinois.edu/books/catalog/47wcf3tf9780252041921.html

Ensaio: HARAWAY, Donna. Saberes Localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial.  Cadernos pagu (5) pp. 07-41. UNICAMP, 1995. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773


COMPOSITORAS NEGRAS BRASILEIRAS: 

Joanídia Sodré: 3º Movi. Quarteto nº 4


Aline Gonçalves Toada para Sojourner

Vanessa Rodrigues 


COMPOSITORAS AMERICANAS: 

Julia Perry, “Stabat Mater,” as we grieve together


Margaret Bonds: 3 Dream Portraits: No. 3. I, Too

Florence Price – Mississippi Suite




REGENTES BRASILEIRAS:

Priscila Santana

Alba Bomfim

Ester Freire 

Valéria Corrêia 

 Práticas coloniais: racismo sexismo e relações de apadrinhamento  

Artigo: Nacional por subtração – Roberto Schwarz. http://www.afoiceeomartelo.com.br/posfsa/Autores/Schwarz,%20Roberto/Roberto%20Schwarz%20-%20Nacional%20por%20Subtra%E2%80%A1%C3%86o.pdf

Livro: Classe média negra: Trajetórias e perfis – Angela Figueiredo. https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/19350/1/Classe%20Media%20Negra_RI.pdf


Samba branco, seu racismo e seu compasso manco

Música clássica brasileira e as práticas coloniais: racismo, sexismo e relações de apadrinhamento com Antonilde Rosa e Dani Sou

Uma das principais práticas da sociedade colonial que propiciou a subalternização de pessoas negras, foi o apadrinhamento dos senhores e das sinhás em relação a famílias, grupos e/ou indivíduos negras/os. Esse sistema de troca de favores, bens materiais e afetivos, ao mesmo tempo que permitiu a autonomia financeira de uma parcela dessa população, por outro lado, sustentou a exploração de mão de obra, as investidas de natureza sexual contra as mulheres, fomentou a miséria e demais mazelas da maioria da população negra brasileira.

Percebemos ao longo da história, que essa prática sempre se intensifica em contextos de crises nas quais a população negra fica ainda mais vulnerável diante da negligência e das políticas genocidas do Estado. Estamos há aproximadamente 8 anos em um contexto de crise econômica, porém, depois do Golpe de 2016 que resultou no Impeachment contra a Ex-presidente Dilma Rousseff, as áreas das Ciências Humanas e das Artes passaram a sofrer um tipo de criminalização e patrulha ideológica por mandatários que se beneficiaram com o Golpe. E nessa trincheira, as/os artistas que não estão inseridos na indústria cultural mainstream, beiram à falência financeira e à mendicância.

É de conhecimento público que as/os artistas negras/os, em sua maiorias, são aqueles que menos recebem incentivos e investimentos financeiro. Então, me pergunto: como e onde estão as/os artistas negras/os nesse mar de miséria? Destarte, é a partir dessa prática histórica: o apadrinhamento, que quero discutir sobre a situação de profissionais negras/os no campo da música clássica brasileira, neste momento de destruição das teias de produção e dos sistemas de fomento das atividades artísticas e culturais no Brasil.

Desenho de som e os limites entre técnica e criação com Manon Ribat e Mariana Carvalho


Nessa live receberemos a Manon Ribat, integrante da rede Sonora desde 2019 e sound designer francesa residente em São Paulo há 5 anos. Falaremos sobre a sua trajetória em relação a arte sonora na França (sua experiência com rádio arte), sua chegada ao Brasil e seus trabalhos com som para cinema. A Manon contará o que é foley e como esse ramo da sonoplastia caracteriza o desenho de som dos filmes. Ao final, falaremos sobre a relação da técnica com a criação e seu espaço na pós-produção dos filmes. Manon nos contará como é ser estrangeira e mulher nesse meio de criação.

Para assistir a transmissão entre em: https://www.facebook.com/sonoramusicasefeminismos/videos/3138165659529118/


Ata da reunião de 20/04/2020 – operacional virtual

Estiveram presentes: Marina, Flora, Carolina, Lilian, Valéria, Manon, Tide e Eliana.

Pauta

  • Defesa da Tide dia 29: Foram testadas várias mídias para transmitir e gravar a defesa.
  • Foi sugerido tornar o programa “ao vivo” da Sonora como uma nova serie, “às vivas”. A próxima pessoa a ser entrevistada será a Manon, dia 04/05, e a entrevistadora será definida na semana. Foi cogitado o nome da Mariana, que foi quem apresentou a Manon à rede.
  • Depois da Manon há possibilidade de fazer “às vivas” com a Vanessa, a Tide e a Antonilde.
  • Marina ficou encarregada de fazer o flyer da Manon para lançar na sexta.  
  • Valéria ficou de ver com o Chico o/a logo da Sonora 5 anos, para colocar no flyer.
  • Eliana ficou de falar com a Antonilde sobre “às vivas”, ver datas possíveis.
  • Lilian vai falar com a Vanessa sobre “às vivas” (idem).

Calendário

  • 04/05 “às vivas” com Manon Ribat.
  • 11/5 Reunião operacional? “às vivas” com Tide? Vanessa? A da Antonilde deve ficar para junho, já que ela fará uma live no Instagram dia 24/4.

[Referências] Compositoras Latino-americanas com Eliana Monteiro da Silva e Valéria Bonafé

SOBRE O RECITAL “ESCUTA:”

1. “ESCUTA:” – Um recital-conversa em torno da antologia de Pós-Doc “Compositoras Latino-americanas: vida – obra – análise de peças para piano”, de Eliana Monteiro da Silva. E-book lançado pela Ficções Editora em 2019. Disponível em: http://ficcoes.com.br/livros/compositoras_la.html.

2. A corrida para o século XXI: no loop da montanha russa. Nicolau Sevcenko. Companhia das Letras, 2001.

3. PROGRAMA DO RECITAL:

  1. Gabriela Ortiz (Mexico) Preludio 1, dos Estudios entre Preludios. 
  2. Eunice Katunda (Brasil) Sonatina (1º movimento).  
  3. Graciela Paraskevaídis (Argentina/Uruguai) …a hombros del ruiseñor
  4. Cacilda Borges Barbosa (Brasil) Estudo Brasileiro n 1. 
  5. Valeria Bonafe (Brasil) Do livro dos seres imaginários: Kami, Odradék, Shang Yang e Haokah.  

SOBRE TRAJETÓRIA DE ELIANA

1. De Clara Schumann à Rede Sonora: Em Busca da história de mulheres na música – por Eliana Monteiro Da Silva. Linda – revista sobre cultura eletroacústica. Disponível em: https://linda.nmelindo.com/2016/06/de-clara-schumann-a-rede-sonora-em-busca-da-historia-de-mulheres-na-musica-por-eliana-monteiro-da-silva/

2. Clara Schumann: compositora x mulher de compositor. Eliana Monteiro da Silva. São Paulo, Ficções Editora, 2011. Disponível em:  http://www.ficcoes.com.br/livros/clara.html.

3. Beatriz Balzi e o piano da América Latina: a música erudita deste continente analisada a partir das gravações da pianista na série de CDs Compositores Latino-Americanos. Eliana Monteiro da Silva, 2014. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27158/tde-20052014-154114/pt-br.php

4. www.sonora.me 

5. www.polymnia.webnode.com

6. www.duoouvirestrelas.com

7. www.elianamonteirodasilva.com 

SOBRE NILCÉIA BARONCELLI

1. Mulheres Compositoras elenco e repertório. Nilceia Baroncelli. Editora Roswitha Kempf, 1987. 

2. Nilcéia Cleide da Silva Baroncelli: compositora e pesquisadora sobre mulheres na música. Eliana Monteiro da Silva. Revista Claves 2018, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/claves/article/view/43812.  


Ao vivo da Sonora: Compositoras Latino-americanas com Eliana Monteiro da Silva e Valéria Bonafé

Qual é a relevância de falar sobre compositoras latino-americanas em meio à quarentena do corona vírus? Eliana e Valéria, da Sonora músicas e feminismos, conversam sobre as escolhas que nos trouxeram a 2020 e as mensagens presentes nas composições de mulheres por tanto tempo silenciadas. Para assistir a live entre em: https://www.facebook.com/sonoramusicasefeminismos/videos/519791095404101/

 

Assista ao vídeo Escuta: Eliana Monteiro da Silva, Compositoras Latino-americanas:

Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/150096249758332/

Ata da reunião de 06/04/2020 – Operacional

Estiveram presentes: Mariana, Flora, Carolina, Lilian, Valéria, Manon e Eliana.

Houve uma rodada de testemunhos de como cada uma está vivendo este momento de quarentena.

Informes:

  • Live para lançar “Escuta:” com Eliana. Foi feito o teste com Carol, Valeria e Eliana e ficou acertado que a live será dia 13/4 as 18:00. Será na sequência da reunião semanal da Sonora. Marina poderá fazer flyer de divulgação?
  • Podcast: Mariana, Manon e Dani se reuniram para falar do podcast da Ximena. Elas conversaram sobre livros, autor@s e músicas citad@s pela Ximena na entrevista já realizada. Os sonhos, o tema da migração, entre outros, estão na pauta do podcast. Foi feito um roteiro e há intenção de incluir um exercício de deep listening. Para isso a Mari ficou de entrar em contato com a Ximena e pedir sons da cidade dela e de outras referências. Em relação à inserção de sonhos e referências de integrantes da Sonora, houve um consenso em trabalhar isso separadamente do podcast da Ximena. Estes elementos podem entrar no roteiro, mas não há espaço para expandir o assunto como é desejado.
  • O trabalho sobre sonhos será realizado como um projeto a parte. Mari, Lilian, Manon e Dani estão nesse projeto. Já havia uma ideia da Lilian de fazer um projeto sobre o contexto da pandemia e da quarentena. Os sonhos dialogam com essa ideia também, mas ainda não está claro como pode ser essa configuração.
  • Mariana contou que vai dar uma entrevista em breve, vai avisar quando for divulgada.

Calendário

  • 13/4 Live para lançamento do vídeo “Escuta:” com Eliana, Valéria e Carolina.
  • 13/4 Reunião operacional para discutir texto de Paul Preciado compartilhado pela Mariana.