Ata da reunião de 18/03/2019 – Operacional


Informes

  • Lilian encontrou Cassia Carrascosa, que se disse interessada em participar de parcerias com a rede Sonora. Lilian convidou-a para participar de uma serie Vozes (biografia dela como artista) ou Escuta (recital comentado). Convidou também a pianista Lidia Bazarian. Precisa ver espaço físico, porque o auditório está com problema de umidade.
  • Lilian deu uma entrevista para a revista Neural, do Reino Unido / Itália, que foi publicada agora em março. A entrevista uniu o lado de sua pesquisa acadêmica, produção artística e feminismo. Lilian falou também sobre a Sonora. Ela pediu permissão aos editores da revista para divulgar o link no site e na página da Sonora do facebook.
  • Foi colocada a necessidade de ocupar espaços para mulheres em sites como www.audiblewomen.com, www.femalepressure.com, www.wiswos.com, etc.
  • Houve uma ameaça de atentado na FFLCH. A segurança foi reforçada na semana passada.

USP Mulheres

  • Flora trouxe a oportunidade de conversar com as representantes do USP Mulheres sobre os relatos de assedio e problemas afins que chegam ao Coletivo Feminista e à Sonora. A princípio haveria uma reunião na sexta-feira às 9:30.

Radio / Projeto Tsonami

  • Mariana conversou com o organizador sobre a dificuldade do idioma na confecção de programas para o projeto. Ele disse que a língua é uma questão se o formato do programa for mais baseado em entrevistas.
  • O projeto é de experimentação radial e exploração artística. A radio tem programação 24 hs. A chamada é para artistas e/ou apresentadorxs, para enviarem projetos com um número mínimo de 12 programas. Seriam 6 meses com programas quinzenais.
  • Como a demanda é muito trabalhosa para o tempo que teríamos para preparar, foi decidido fazer um projeto semelhante, mas não para o Tsonami por enquanto.

Evento “Primeira Reunião Sonora”, dia 25/3. Local: sala 12.

  • Foi feito o flyer de divulgação, discussão da preparação, e email para Fabio compartilhar.
  • Foi inserida uma chamada para que as pessoas tragam instrumentos e/ou objetos para sonorizar a projeção escolhida.  

– 1ª parte: Sonorização de filmes em tempo real (Marina vai conduzir)

  • Serão mostrados os filmes “Preparação 1”, da Letícia Parente, e o “Mergere”, da Marina Mapuranga.  
  • Cronograma:

– Passo 1: assiste aos filmes

– Passo 2: sonoriza

– Passo 3: discute

  • A atividade durará em media 45’.

– 2ª parte: Apresentação da rede Sonora (Tide, Flora e Mariana vão apresentar)

  • Duração aproximada 45’.

Calendário

  • 18/3 – Preparo e divulgação do Evento-convite para novas(os) integrantes.
  • 25/3 – Evento-convite para novas(os) integrantes.
  • 01/04 – não tem reunião para que possamos assistir à abertura da exposição “Sons de Silício”.
  • 08/04 – Abertura do Congresso Sonologia?
  • 15/4 – Semana Santa
  • 22/4 – Sons de Silício ainda estará rolando.
  • 29/4 – Operacional para preparar concerto da Jazzmin’s
  • 6/5 – Grupo de Estudos (1ª parte) e preparação do concerto da Jazz (2ª parte)
  • 8/5 – Concerto Jazzmin’s (confirmar)
  • 13/5 – Operacional?
  • 20/5 – Vozes ou Escuta com Cassia / Lidia?

Para a próxima reunião

  • Trazer alimentos, os filmes escolhidos, materiais e/ou instrumentos para sonorização.

Ata da reunião de 11/03/2019 – Operacional

Informes

  • Dia 14/3: Recital “Síntese Coletiva”, com Ariane Stolfi.
  • Dia 1º de abril: Abertura da exposição “Sons de Silício”, com performance da Mariana Carvalho, no Espaço das Artes (antigo MAC). A Mariana também terá uma instalação no espaço, assim como a Tide Borges. A Marina Mapurunga fará uma performance dia 22/4. Todas estas instalações ficarão até 26/4. Dia 1º de abril não haverá reunião da Sonora.
  • O CALC está promovendo algumas mesas de debates no mês de março, sendo a 1ª em homenagem a Marielle Franco, dia 13/3 (quarta-feira), as 17:00 hs.
  • Mariana contou sobre o Festival Tsonami, do qual participou em Valparaíso, no Chile. Este ano a organização do festival está com uma chamada aberta para trabalhos de radio arte.  A Sonora poderia mandar um resumo do projeto das compositoras, com um demo das gravações com a Alma Laprida e a Valéria Bonafé. Mariana e Valeria ficaram de escrever este projeto para enviar ao Tsonami.
  • Precisamos de 2 pilhas AA para o mouse da sala.

Evento-convite para novas(os) integrantes, “Primeira Reunião Sonora”. A atividade será dividida em 2 partes:

– 1ª parte: Sonorização de filmes em tempo real

  • A ideia seria fazer uma sonorização de filme em tempo real. Poderíamos fazer na sala 12, trazendo instrumentos e/ou objetos para sonorizar a projeção escolhida.  
  • Foi pensado em passar o filme “Preparação 1”, da Letícia Parente, e o “Mergere”, da Marina Mapuranga.  

Passo 1: assiste aos filmes

Passo 2: sonoriza

Passo 3: discute

  • Toda a atividade duraria em media 45’.

– 2ª parte: Apresentação da rede Sonora

  • Duração aproximada 45’.

– Mariana ficou responsável pelo rascunho do flyer, e Ariane vai fazer o cartaz definitivo.

Concerto/Ensaio Aberto da Jazzmin’s

  • Estamos aguardando a resposta da Lis, responsável pela agenda do grupo. Data provável: 8/5 (quarta-feira) no auditório.
  • Pensar na divulgação.

Tópicos para discussão

  • Assédio no CMU: aparentemente há casos não identificados formalmente, mas que estão preocupando alunas ingressantes. O Coletivo Feminista está organizando medidas “educativas” como cartazes no banheiro masculino, entre outras. Elas convidaram a Sonora a participar desta empreitada.
  • Seria bom inaugurar uma serie sobre assuntos de interesse das mulheres, convidando, por exemplo, uma advogada para esclarecer sobre assédio, uma médica para falar sobre saúde, maternidade, entre outras especialidades.  
  • A Sonora, o Coletivo Feminista e outros núcleos poderiam se reunir com a USP Mulheres para pedir informação sobre como agir em casos de assédio e violência contra as mulheres.

Projeto NuSom

  • A Sonora precisa enviar uma lista com o orçamento da nossa parte, levando em consideração outros equipamentos e/ou materiais similares previstos por outros projetos envolvidos.
  • É preciso listar os equipamentos de acordo com as nossas necessidades no projeto.
  • A Tide se ofereceu para ajudar no orçamento com o conhecimento que ela tem de equipamentos de som.

Plásticos

  • Cada um pode trazer sua caneca para substituir os copinhos de plástico.
  • Trazer esponja e detergente.

Calendário

  • 18/3 – Preparo e divulgação do Evento-convite para novas(os) integrantes.
  • 25/3 – Evento-convite para novas(os) integrantes.
  • 01/04 – não tem reunião para que possamos assistir à abertura da exposição “Sons de Silício”.
  • 08/04 – Abertura do Congresso Sonologia?
  • 15/4 – Semana Santa

Para a próxima reunião

  • Trazer os dois filmes (Tide traz “Preparação 1” e Marina traz o dela).

Ata da reunião de 25/02/2019 – Operacional de Início de 2019

Dinâmicas das reuniões

  • Retomar a ideia de oficinas de questões técnicas para tornar as(os) participantes mais independentes.
  • Pensar em como aumentar o número de integrantes.
  • Pensar em como tornar o fluxo mais fluido.
  • Planejar e organizar eventos por bimestre ou outra periodicidade.

Evento-convite para novas(os) integrantes

  • Concerto ou ensaio aberto da Jazzmin’s? Mandamos mensagem para a Lis e para a Paula, responsáveis pela agenda do grupo. Datas prováveis: 20 ou 27/3 (quarta-feira, por causa do auditório).
  • Encontro/Performance coletiva como a que fizemos com a peça da Pauline Oliveros anos atrás. Data provável: 25/3 (segunda).
  • Pensar na divulgação.

Vozes/Visões – Radio

  • Usar o espaço destas séries regulares para criar material para os programas de radio. Por ex.: Carô e Eliana conversam no Visões e depois edita para o rádio.
  • Fazer podcasts de 20 minutos.
  • Estes podcasts também podem fornecer material para o Projeto NuSom.

Projeto NuSom

  • O projeto principal não foi encaminhado ainda, novas pessoas estão entrando e o projeto da Sonora já está no google docs do corpo principal.
  • A Sonora precisará enviar um orçamento da nossa parte, levando em consideração outros equipamentos e/ou materiais similares previstos por outros projetos envolvidos. A Tide se ofereceu para ajudar com o conhecimento que ela tem de equipamentos de som.

OSUSP

  • Saíram 2 matérias sobre a OSUSP e a programação de obras de compositoras, uma do jornal da ECA e outra do Irineu F. Perpétuo para a Folha. As matérias citam a participação de compositoras da Sonora em concertos da OSUSP, divulgando suas obras.
  • Seria interessante marcar uma reunião com o Diretor da OSUSP, Fabio Cury, para entender melhor que tipo de parceria ele imagina com a Sonora este ano.

Antigos projetos para 2019

  • Seria interessante fazer um projeto para o CPF com convidadas, sobre gênero.
  • Roda de conversa sobre maternidade. Valéria precisa participar, precisa ver quando ela poderia vir.
  • Repositório dos nossos materiais escritos e gravados.
  • Aumentar a visibilidade dos eventos da rede.

Calendário

  • Fica pendente a definição de datas para o evento da Jazzmin’s e para o Encontro Aberto.

Escuta: “Compositoras Latino-americanas” – um recital-conversa com Eliana Monteiro da Silva

Eliana Monteiro da Silva é pianista, professora e pesquisadora. Bacharel em Piano pela Faculdade de Música Carlos Gomes, fez Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado em Música na Escola de Comunicações e Artes da USP, sob orientação do Prof. Amilcar Zani. Suas pesquisas enfocam a atuação da mulher na produção pianística ocidental, sendo autora do livro “Clara Schumann: compositora x mulher de compositor”, da tese “Beatriz Balzi e o piano da América Latina” (FAPESP), e da antologia “Compositoras latino-americanas: vida – obra – análise de peças para piano”, a ser publicada em e-book este ano pela Editora Ficções. Atua como professora particular de piano, ministrou os cursos “Sons e Imagens da América Latina I e II” no Instituto Cervantes com o pintor Juan José Balzi, participou como organizadora e palestrante do projeto “MusiMAC: arte contemporânea para ver e ouvir” em parceria com Ana Gonçalves Magalhães e Amilcar Zani e integra o quadro de docentes da Pós-Graduação da ECA com a disciplina “Música Erudita do século XX na América Latina: aspectos históricos e analíticos”, juntamente com Amilcar Zani e Heloísa Fortes Zani. Em 2017 foi indicada pela FUNARTE para representar o Brasil no III Coloquio de Investigación Musical Ibermúsicas no Chile, com a temática “Música y mujer en Iberoamérica: haciendo música desde la condición de género”. Sua militância artística pela maior visibilidade da mulher na música inclui a participação no Duo Ouvir Estrelas (www.duoouvirestrelas.com), com a cantora Clarissa Cabral, na rede Sonora – músicas e feminismos (www.sonora.me) e no grupo Polymnia (www.polymnia.webnode.com).

 

PROGRAMA
1. Gabriela Ortiz (Mexico) – Preludio I, do ciclo Estudios entre Preludios
2. Eunice Katunda (Brasil) – Sonatina (1º movimento)
3. Graciela Paraskevaídis (Argentina/Uruguai) – …a hombros del ruiseñor
4. Cacilda Borges Barbosa (Brasil) – Estudo Brasileiro n 1
5. Valéria Bonafé (Brasil) – Do livro dos seres imaginários: Kami, Odradék, Shang Yang e Haokah. 

Visões: “Cartografias da canção feminina” – com Carô Murgel

Ana Carolina Arruda de Toledo Murgel (Carô Murgel) é  Doutora em História Cultural pela Universidade Estadual de Campinas, onde fez toda sua formação, incluindo o pós-doutorado, no qual pesquisou as compositoras brasileiras que atuaram durante o século XX.
Foi violonista e cantora, dedicando-se à pesquisa e divulgação da Música Popular Brasileira. É idealizadora e mantenedora do site MPBNet. Atuou como Supervisora no curso de História da Rede São Paulo de Formação Docente (REDEFOR), parceria da Unicamp, USP e UNESP com a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. Foi coordenadora do GT de Estudos de Gênero da ANPUH-SP na gestão 2012-2014 e é colaboradora desde 2012 na elaboração, correção e apresentação da Olimpíada Nacional de História do Brasil (CNPq/IFCH-Unicamp). É Pesquisadora Colaboradora junto ao Departamento de História do IFCH/Unicamp.
Atua na área de História Cultural, com ênfase em gênero, feminismo, subjetividades, canção popular brasileira e compositoras brasileiras.

Conversa com Linda O’Keeffe e Isabel Nogueira

Linda O Keeffe (IRE / UK) e Isabel Nogueira (BRA) apresentarão uma discussão sobre seu projeto colaborativo, Soando o Corpo Feminista. Este projeto é financiado pelo British Arts Council e pelo CNPQ. O trabalho é dividido em duas partes, em primeiro lugar, o desenvolvimento de uma nova prática artística baseada em processos feministas e, em segundo lugar, o desenvolvimento de uma metodologia inovadora para o envolvimento da comunidade com mulheres e meninas, Ressonando o Corpo Feminino no Espaço. O Keeffe e Isabel apresentarão as atividades atuais que aconteceram em Porto Alegre e exemplos de trabalho que estão criando juntos.

Linda O Keeffe é fundadora da organização Women on Sound Women in Sound, uma rede que une indivíduos, grupos e organizações, promovendo a troca de conhecimento que molda nossa atual compreensão de som e tecnologia (www.wiswos.com). Ela também é editora do Interference Journal, uma revista acadêmica sobre cultura do áudio (www.interferencejournal.org). Ela é mais conhecida por seu trabalho analisando as condições sociais do espaço em relação à percepção e ao som, mas o impacto do gênero, de ser uma mulher no espaço, levou a uma reconfiguração de sua prática. Trabalhos recentes em grande escala incluíram uma comissão de 2016 para a Bienal irlandesa ‘My Voice is Still Lost’, que explorou o papel da igreja católica nos papéis das mulheres e na sexualidade na vida cotidiana na Irlanda e ‘Score For Her’ no Cibelo Cibelo Palace Concert salão em Madrid em 2017. www.lindaokeeffe.com

Isabel Nogueira é compositora-performer e musicóloga, doutora em musicologia (UAM/ Espanha) e graduada em piano (UFPel). Pesquisadora do CNPQ e professora Titular do Departamento de Música (IA/UFRGS), atuando na graduação e pós-graduação. Coordena o Grupo de Pesquisa em Estudos de Gênero, Corpo e Música (UFRGS), tem pesquisas sobre música e gênero, performance e criação sonora. Lançou os discos Impermanente movimento, Voicing e LusqueFusque (2016), Mar de tralhas, Betamaxers, Légua, Meteoro-phoenix, Unlikely Objects e Hybrid (2017), Zah e Isama Noko (2018). Participa dos trabalhos colaborativos Medula Experimentos Sonoros (RS), Elatrônicas (RS), Strana Lektiri (com Leandra Lambert), Mulheres na Lua: som e movimento (com Ana Fridman) e If I Were Me (com Linda O’Keeffe).

Vozes com Tide Borges – 25/06/2018

Tide Borges é graduada (1984) e mestra (2008) em cinema pela Escola de Comunicações de Artes da USP. Desde 1982 trabalha com som. Fez vários curtas, documentários, filmes para a TV, longas-metragens. Além disso, desde 2002, organiza mesas de debate sobre som no cinema durante a Semana ABC. Em 2010 começou a dar aulas para a disciplina Direção de Som no Curso de Cinema da Faculdade de Comunicações da FAAP-SP.

Seus principais trabalhos:

Longa-metragens: A Hora da Estrela e Hotel Atlântico (dir. Suzana Amaral), Dois Coelhos e Mais Forte que o Mundo (dir. Afonso Poyart), Os Amigos (dir. Lina Chamie), Ausência (dir. Chico Teixeira).

Telefilmes: Kurt Masur: adventures in listening (dir. Amit Breuer), Mulheres Olímpicas (dir. Laís Bodanski).

Série Para TV: Os Experientes-Episódio “O primeiro Dia” (dir. geral Fernando Meirelles), Carcereiros II.

Documentários: São Silvestre e Dorina (dir. Lina Chamie), Do pó da terra (dir. Maurício Nahas), Futuro do Pretérito: tropicalismo now (dir. Fracisco César Filho e Ninho Moraes), Variações sobre um quarteto de cordas (dir. Ugo Georgetti), Rogério Duprat: vida de músico (dir. Pedro Vieira), Hip Hop SP (dir. Francisco Cesar Filho).

Lista completa dos trabalhos:

Imdb: https://www.imdb.com/name/nm0096601/?ref_=nv_sr_1

Vídeos no Youtube:

CINEMA POR QUEM O FAZ: Tide Borges

– https://www.youtube.com/watch?v=zWxOl_7r6Kg

Semana ABC 2016 – Entrevista com Tide Borges

– https://www.youtube.com/watch?v=KSrBwcApyR4

Attachments area

Preview YouTube video CINEMA POR QUEM O FAZ: Tide Borges

CINEMA POR QUEM O FAZ: Tide Borges

Preview YouTube video Semana ABC 2016 – Entrevista com Tide Borges

Semana ABC 2016 – Entrevista com Tide Borges

 

Ata da reunião de 06/08/2018 – Operacional

A primeira reunião do semestre foi neste dia gelado, mas com muita energia! Iniciamos, como sempre, com os informes das semanas passadas e planos para as futuras.

Informes

  • Flora disse que o Coletivo Feminista da ECA tem participado de vários eventos fora da universidade às quintas-feiras, dia do encontro semanal delas, razão pela qual não tem tido muitos encontros presenciais na USP. No entanto, nesta semana o coletivo inicia as atividades presenciais com os eventos que se seguem:
  1. Oficina de panos verdes para a legalização do aborto, dia 7/8 às 15:30 na FFLCH.
  2. Dia 16/8 terá reunião na sede para a Legalização do aborto.

 

  • Houve mobilização sobre o caso do estupro na Faculdade de Medicina da USP. As movimentações continuam.
  • Sobre o corte de verbas da CAPES, nas bolsas para pesquisa, houve uma manifestação no MASP quinta-feira passada e terá outra na FFLCH na próxima quinta-feira dia 9/8.
  • Claudia Lago convidou um palestrante que falará sobre Teoria Queer no horário da aula dela, provavelmente quarta-feira 15, às 19:30 h no auditório. A confirmar.

 

Radio

  • Flora não conseguiu ouvir os áudios da conversa entre ela e a Mariana, que ficaram com a Valéria durante as férias de julho.
  • Carol ficou de coletar trechos de obras de outras compositoras relacionadas ao assunto da conversa entre Mariana e Flora. Porém, ela precisa ouvir a conversa das duas para ver quanto tempo pode ser destinado a este material.
  • O Desfazendo Gênero deste ano será na ECA entre 21 e 24/8 (terça a sexta).
  • Congresso ANPPOM – Marina vai apresentar trabalho. Valéria e Lilian também, no Simpósio de Sonologia. Eliana tem trabalho previsto para o Simpósio de Gênero, mas não sabe se poderá ir.

 

Linda O’Keefe (palestra-workshop)

  • O encontro será dia 17/8 em conjunto com o NuSom. Linda mandará uma bio e foto para divulgação.

 

Nomes no site

  • Foram inseridos os nomes da Fabiana Severo e da Tania Neiva na aba da equipe organizadora, com as datas fornecidas pelas mesmas. Até agora estas foram as únicas integrantes da rede que responderam ao email sobre créditos referentes a organização de eventos.

 

Sugestões para as séries Vozes e/ou Visões

  • Susana Igayara
  • Teca Alencar
  • Inaiê (tem projeto que envolve o lado dos rituais ligados ao feminino).
  • Marina gostaria de convidar 2 artistas que trabalham com “foley” (criam sons ambientes artificialmente, em estúdio). As 2 foram alunas da ECA, uma é a Rosana Stefanoni e a outra é Guta Roim.
  • Suzana Reck Miranda – pesquisadora, professora da UFSCar. Pesquisa sons do cinema brasileiro.
  • Antonilde Rosa (por hangout?) – pesquisadora da UFRJ, cantora e membra, além da Sonora, de vários coletivos ligados a mulheres negras. Ela qualifica em setembro para o Mestrado, e fica disponível depois.
  • Annita Costa Maluf (poeta) – trabalha, entre outros, com arte sonora.

 

Tarefas

  • Marina ficou de formatar o flyer de divulgação da Tide e mandar para Eliana.
  • Eliana ficou de colocar o flyer no site e no facebook.

 

Próximas reuniões:

13/8 – Vozes com Tide Borges

17/8 – Linda O’Keefe com NuSom (sexta a tarde)

20/8 – Operacional enfocando calendário (definir Vozes ou Visões do dia 10/9)

27/8 – Grupo de trabalho para programa de radio (Semana ANPPOM)

3/9 – Feriado

10/9 – Vozes ou Visões?

17/9 – Operacional

24/9 – Recital/palestra (ou conversa) com Eliana (16h no auditório do CMU)

01/10 – Operacional

8/10 – Vozes ou Visões (não pode ser Teca, é aniversário dela). Antonilde? Susana?

 

 

 

 

 

Entrevista para o programa “Música Inclusiva”

O programa “Música Inclusiva”, da Rádio Diversa, foi realizado pelos alunos do curso de Jornalismo da ECA-USP Karina Merli, Pedro Ezequiel, Renan Sousa, Samantha Prado e Tainah Ramos. Tendo como tema a maneira como a mulher é retratada na música, entrevistou Eliana Monteiro da Silva, membra da rede Sonora – músicas e feminismos e Doutora em Música pela ECA.

O programa discute o olhar da sociedade para o papel da mulher no decorrer do século XX e como isso transparece em letras de músicas como “Dá Nela”, de Francisco Alves, entre outras. Graças às lutas empreendidas por mulheres e grupos feministas desde, principalmente, a década de 1960, esta realidade vem mudando e se reflete em músicas como “Laura”, de Marina Melo.

Confira!