[Referências] Música clássica brasileira e as práticas coloniais: racismo, sexismo e relações de apadrinhamento com Antonilde Rosa e Dani Sou

Publicação de Antonilde Rosa:

Cantoras Afro-brasileiras de Ópera: Uma Reflexão Sobre a Ausência de Cantoras Líricas Negras nos Livros de História da Música Brasileira  do Século XIX:  http://www.abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/224/240

O “PRETUGUÊS”: vocalidades da persona Mãe Preta da canção Bonequinha de Sede de Francisco Mignone

https://www.copene2018.eventos.dype.com.br/resources/anais/8/1527907081_ARQUIVO_ANTONILDE-CANCAODASMAESPRETAS-2.pdf

Ópera, Raça e Gênero Sob o Ponto de Vista de Artista Negras(os) – Revistas Música USP

Invisibilização de personalidades negras:

Livros:

Silvio Almeida. O que é racismos estrutura? http://www.uel.br/neab/pages/arquivos/Livros/ALMEIDA,%20Silvio_%20O%20que%20%C3%A9%20Racismo%20Estrutural_.pdf

Naomi André Black Opera: History, Power, Engagement. https://www.press.uillinois.edu/books/catalog/47wcf3tf9780252041921.html

Ensaio: HARAWAY, Donna. Saberes Localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial.  Cadernos pagu (5) pp. 07-41. UNICAMP, 1995. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773


COMPOSITORAS NEGRAS BRASILEIRAS: 

Joanídia Sodré: 3º Movi. Quarteto nº 4


Aline Gonçalves Toada para Sojourner

Vanessa Rodrigues 


COMPOSITORAS AMERICANAS: 

Julia Perry, “Stabat Mater,” as we grieve together


Margaret Bonds: 3 Dream Portraits: No. 3. I, Too

Florence Price – Mississippi Suite




REGENTES BRASILEIRAS:

Priscila Santana

Alba Bomfim

Ester Freire 

Valéria Corrêia 

 Práticas coloniais: racismo sexismo e relações de apadrinhamento  

Artigo: Nacional por subtração – Roberto Schwarz. http://www.afoiceeomartelo.com.br/posfsa/Autores/Schwarz,%20Roberto/Roberto%20Schwarz%20-%20Nacional%20por%20Subtra%E2%80%A1%C3%86o.pdf

Livro: Classe média negra: Trajetórias e perfis – Angela Figueiredo. https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/19350/1/Classe%20Media%20Negra_RI.pdf


Samba branco, seu racismo e seu compasso manco

Música clássica brasileira e as práticas coloniais: racismo, sexismo e relações de apadrinhamento com Antonilde Rosa e Dani Sou

Uma das principais práticas da sociedade colonial que propiciou a subalternização de pessoas negras, foi o apadrinhamento dos senhores e das sinhás em relação a famílias, grupos e/ou indivíduos negras/os. Esse sistema de troca de favores, bens materiais e afetivos, ao mesmo tempo que permitiu a autonomia financeira de uma parcela dessa população, por outro lado, sustentou a exploração de mão de obra, as investidas de natureza sexual contra as mulheres, fomentou a miséria e demais mazelas da maioria da população negra brasileira.

Percebemos ao longo da história, que essa prática sempre se intensifica em contextos de crises nas quais a população negra fica ainda mais vulnerável diante da negligência e das políticas genocidas do Estado. Estamos há aproximadamente 8 anos em um contexto de crise econômica, porém, depois do Golpe de 2016 que resultou no Impeachment contra a Ex-presidente Dilma Rousseff, as áreas das Ciências Humanas e das Artes passaram a sofrer um tipo de criminalização e patrulha ideológica por mandatários que se beneficiaram com o Golpe. E nessa trincheira, as/os artistas que não estão inseridos na indústria cultural mainstream, beiram à falência financeira e à mendicância.

É de conhecimento público que as/os artistas negras/os, em sua maiorias, são aqueles que menos recebem incentivos e investimentos financeiro. Então, me pergunto: como e onde estão as/os artistas negras/os nesse mar de miséria? Destarte, é a partir dessa prática histórica: o apadrinhamento, que quero discutir sobre a situação de profissionais negras/os no campo da música clássica brasileira, neste momento de destruição das teias de produção e dos sistemas de fomento das atividades artísticas e culturais no Brasil.

[Referências] Compositoras Latino-americanas com Eliana Monteiro da Silva e Valéria Bonafé

SOBRE O RECITAL “ESCUTA:”

1. “ESCUTA:” – Um recital-conversa em torno da antologia de Pós-Doc “Compositoras Latino-americanas: vida – obra – análise de peças para piano”, de Eliana Monteiro da Silva. E-book lançado pela Ficções Editora em 2019. Disponível em: http://ficcoes.com.br/livros/compositoras_la.html.

2. A corrida para o século XXI: no loop da montanha russa. Nicolau Sevcenko. Companhia das Letras, 2001.

3. PROGRAMA DO RECITAL:

  1. Gabriela Ortiz (Mexico) Preludio 1, dos Estudios entre Preludios. 
  2. Eunice Katunda (Brasil) Sonatina (1º movimento).  
  3. Graciela Paraskevaídis (Argentina/Uruguai) …a hombros del ruiseñor
  4. Cacilda Borges Barbosa (Brasil) Estudo Brasileiro n 1. 
  5. Valeria Bonafe (Brasil) Do livro dos seres imaginários: Kami, Odradék, Shang Yang e Haokah.  

SOBRE TRAJETÓRIA DE ELIANA

1. De Clara Schumann à Rede Sonora: Em Busca da história de mulheres na música – por Eliana Monteiro Da Silva. Linda – revista sobre cultura eletroacústica. Disponível em: https://linda.nmelindo.com/2016/06/de-clara-schumann-a-rede-sonora-em-busca-da-historia-de-mulheres-na-musica-por-eliana-monteiro-da-silva/

2. Clara Schumann: compositora x mulher de compositor. Eliana Monteiro da Silva. São Paulo, Ficções Editora, 2011. Disponível em:  http://www.ficcoes.com.br/livros/clara.html.

3. Beatriz Balzi e o piano da América Latina: a música erudita deste continente analisada a partir das gravações da pianista na série de CDs Compositores Latino-Americanos. Eliana Monteiro da Silva, 2014. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27158/tde-20052014-154114/pt-br.php

4. www.sonora.me 

5. www.polymnia.webnode.com

6. www.duoouvirestrelas.com

7. www.elianamonteirodasilva.com 

SOBRE NILCÉIA BARONCELLI

1. Mulheres Compositoras elenco e repertório. Nilceia Baroncelli. Editora Roswitha Kempf, 1987. 

2. Nilcéia Cleide da Silva Baroncelli: compositora e pesquisadora sobre mulheres na música. Eliana Monteiro da Silva. Revista Claves 2018, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/claves/article/view/43812.  


Ao vivo da Sonora: Compositoras Latino-americanas com Eliana Monteiro da Silva e Valéria Bonafé

Qual é a relevância de falar sobre compositoras latino-americanas em meio à quarentena do corona vírus? Eliana e Valéria, da Sonora músicas e feminismos, conversam sobre as escolhas que nos trouxeram a 2020 e as mensagens presentes nas composições de mulheres por tanto tempo silenciadas. Para assistir a live entre em: https://www.facebook.com/sonoramusicasefeminismos/videos/519791095404101/

 

Assista ao vídeo Escuta: Eliana Monteiro da Silva, Compositoras Latino-americanas:

Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/150096249758332/

[Referências] Desenho de som e os limites entre técnica e criação com Manon Ribat e Mariana Carvalho

Para quem quiser mais informações sobre o que foi citado (ou não) na conversa, aqui vai uma lista de referências !! (por Manon Ribat)

Obras sonoras da Arte radio (Focadas em paisagens sonoras):

https://www.arteradio.com/serie/amazonia

https://www.arteradio.com/son/616468/los_gritos_de_mexico

https://www.arteradio.com/son/61661382/notre_dame_burning

Filmes e séries para assistir com os ouvidos abertos: 

Mon oncle (Jacques Tati); 
Bande de filles (Celine Sciamma); 
Blow out (Brian de Palma); 
Ex-Paje (Luiz Bolognesi); 
Chernobyl (Johan Renck); 
Blindness (Fernando Meirelles); 
The crown (Peter Morgan); 
The Handmaid’s Tale (Kari Skogland);Redemoinho (Jose Luis Villamarin); 
Va e veja (Elem Klimov); 
O menino e o mundo (Ale Abreu);
Como nossos pais (Lais Bodanzky).

Filmes que eu participei (comentados na conversa):

Socrates , Alexandre Moratto
Morto não fala, Dennison Ramalho
Pitanga, Beto Brant 
O filme da minha vida, Selton Mello
Elis, Hugo Prata
Bingo o rei das manhãs, Daniel Rezende

O que é foley?

O pinewood studios é uma referência no meio de som para cinema. Achei esse vídeo bem explicativo sobre o assunto. 

O que seria o  desenho de som para cinema? 

A Paula Fairfield é sound designer e trabalhou nos efeitos sonoros de Games of Thrones 

Livros de referência: 

A educaçao sonora, Murray Schafer
The soundscape (A afinação do mundo), Murray Schafer 
The foley grail, Vanessa Ament

Mulheres-maravilhas do som para cinema (BR): 

Para quem quiser saber mais sobre o trabalho delas, entrem no site IMDB (https://www.imdb.com/) e digitem o nome delas ! 🙂

Miriam Biderman (Supervisora de pós-produção de som, editora de diálogo)
Tide Borges (Som direito para cinema)
 Andreia Freire (artista de foley)
Guta Roim (Artista de foley)
Rosana Stefanoni (Mixadora, editora)
Raiza Rodrigues (Editora de diálogo e dublagem)
Vanessa Gusmao (Editora de som para cinema, foley e ambientes) 
Marina Mapurunga (Sound designer)
Bianca Martins (Editora de som para cinema)

Coletivo de mulheres no Audiovisual francês: 

http://collectif5050.com/en