GE (leitura/discussão) – Música indígena e teoria de gênero: Maria Ignez Cruz Mello

Esse encontro foi dedicado a um primeiro contato com o trabalho de pesquisa da compositora e musicóloga brasileira Maria Ignez Cruz Mello. De forma introdutória, fizemos a leitura de dois textos: um de Susan Fonseca, intitulado Etnografía y creación contemporánea: una aproximación desde el legado de Maria Ignez Cruz Mello, no qual a autora apresenta a pesquisa da Maria Ignez de modo panorâmico; e outro da própria Maria Ignez, intitulado Relações de gênero e musicologia: reflexões para uma análise do contexto brasileiro. Através dessas leituras pudemos compreender como se articulam os dois eixos principais do trabalho da Maria Ignez: a teoria de gênero e a música indígena.

Maria Ignez realizou ampla pesquisa (teórica e de campo) sobre o Ritual Iamurikuma, o maior ritual feminino do Alto Xingu, MT. Essa pesquisa resultou em seu trabalho de doutorado, intitulado Iamurikuma: Música, Mito e Ritual entre os Wauja do Alto Xingu (UDESC, 2005). No resumo de sua tese, ela diz:

“Esta tese é uma etnografia do ritual de iamurikuma entre os índios Wauja, do Alto Xingu. Com base na mitologia e no discurso nativo, o universo em torno deste ritual é analisado especialmente em sua dimensão musical. O ritual de iamurikuma, realizado pelas mulheres, é entendido como um dos lados de um complexo músico-ritual que envolve humanos e ‘espíritos’ apapaatai, tendo como sua outra face o mundo das flautas kawoká, que são tocadas pelos homens e não podem ser vistas pelas mulheres. A música, através de sua formalização e do jogo em torno dos sentidos e das proporções, é considerada o elemento central do ritual, constituindo a forma ideal de expressão dos afetos.” (MELLO, 2005, p. 4)

niversidade Federal de Santa Catarina

Desenho do ritual de Iamurikuma feito por Ajoukuma Waurá. Figura retirada da capa da tese de doutorado de Maria Ignez Cruz Mello.

A pesquisa de doutorado de Maria Ignez é bastante extensa e inclui: um relatório da sua pesquisa de campo realizada com os Wauja; um estudo sobre a sociedade xinguana, abordando temas como sistema sócio-cultural, língua, ritos, cosmologia e xamanismo; um estudo comparado entre os rituais iamurikuma e kawoká; uma descrição detalhada do ritual de iamurikuma que ela pôde observar presencialmente em 2001, incluindo algumas transcrições musicais; e algumas análises musicais das canções.

Em seu trabalho, Maria Ignez observou a forte marcação dos papéis de gênero entre os Wauja, que inclui esta a radical separação entre os rituais kawoká e iamurikuma. Enquanto iamurikuma seria um ritual exclusivamente feminino e estritamente vocal, o kawoká seria um ritual exclusivamente masculino e concentrado na música instrumental através do uso das flautas (instrumentos que não podem ser vistos pelas mulheres, sob risco de sofrerem estupro coletivo como punição). Porém, a despeito dessa aparente separação radical entre os rituais, Maria Ignez conclui a partir da análise dos dois repertórios que a música iamurikuma é de fato a música kawoká e que tal oposição não se sustenta exatamente no conteúdo musical. A partir desse eixo de leitura, ela desenvolverá sua hipótese de que esses rituais são complementares e constituem um complexo mítico-musical único.

Nosso encontro também teve a participação do compositor e musicólogo Acácio Piedade (UDESC), que acompanhou de perto o trabalho de pesquisa da Maria Ignez. Ele nos ajudou a compreender melhor algumas especificidades da sociedade Wauja. Ele nos contou, por exemplo, como o sexo é um assunto corriqueiro e tratado sem tabu entre os Wauja. Perceber esta e muitas outras diferenças entre os Wauja e a cultura branca ocidental nos conduziu à discussão sobre a impossibilidade de ler as questões de gênero entre os Wauja exclusivamente a partir da nossas experiências e perspectivas. O debate contribui muito para a importância de se pensar numa pluralidade inerente à noção de feminismo.

Para complementar nossas leituras, assistimos também o filme As Hiper Mulheres (2011) que mostra justamente todo o processo de preparação e realização do ritual Iamurikuma no Alto Xingu.

 

Maria Ignez Cruz Mello (1962–2008)

Maria Ignez

“Começou seus estudos de piano aos 3 anos de idade, e com esta idade começou a compor pequenas peças. Em 1969 ingressou no conservatório dramático musical de sp, onde completou o curso de piano como bolsista durante 10 anos, se formando em 1979. Foi premiada com no concurso de Composição “Troféu Bach”, promovido pelo Centro de Pesquisas Físicas, Biológicas e Musicais de São Paulo, durante quatro anos consecutivos:1975, 1976, 1977 e 1978. Trabalhou um tempo com demonstradora de piano, ainda criança, na loja Mappin em SP, e mais tarde como regente do coral da Justiça de SP em 1980-81. Participou do Festival de Inverno de Campos de Jordão em 1981, curso de regência coral com Henrique Gregori. Em 1981 ingressou no curso de composição da UNICAMP, tendo estudado com Almeida Prado e Damiano Cozzella e se formado em 1986. Fez cursos de composição eletroacústica com Conrado Silva em1986. Viveu na Alemanha e na Austria entre 1987 e 1989, tocando em diversos grupos, estudando música e alemão. De volta ao Brasil 1990, em SP, cantou no coral Psychophármacon, trabalhou como produtora cultural e abriu uma escola de música, Casa Dois. Mudou-se para Floripa em 1994, dois anos depois do nascimento de sua filha e de Acácio, Júlia. Depois do mestrado e doutorado em Antropologia na UFSC, sob orientação de Rafael Bastos,ingressou como profa. da UDESC em 2005. Em 2007 foi curadora da mostra de arte indígena NAAKAI: a trama ritual na vida wauja, Museu de Arte da UFPR.” (Biografia escrita por Acácio Piedade, disponível em: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.498650460194838.1073741828.498644663528751&type=1)

 

 

Leituras

 

Filme

“As Hiper Mulheres”. Dir. Takumã Kuikuro, Leonardo Sette e Carlos Fausto | 80 min. 2011. PE

 

Visões – “Musicologia Feminista: Susan McClary e Suzanne Cusick”, com Tânia Neiva

Neste encontro eu fiz uma introdução à chamada musicologia feminista abordando o contexto acadêmico de surgimento da área, as principais visões e metodologias adotadas pela musicóloga feminista Susan McClary em seu livro Feminine Endings: music, gender and sexuality (lançado em 1991) e a crítica realizada à abordagem de McClary pela musicóloga feminista Suzanne Cusick. A fala foi baseada em uma comunicação realizada por mim, no mesmo ano (2015), na ANPPOM, intitulada: A musicologia feminista de Susan McClary e a crítica de Suzanne Cusick.

Eu comecei a me interessar pela questão da mulher na música durante minha segunda pesquisa de Iniciação Científica, realizada na Unicamp sob orientação da compositora Profa. Dra. Denise Garcia. Na época (2002-2003) analisei duas peças para piano solo da compositora Eunice Katunda. Durante a pesquisa percebi algumas lacunas na história da compositora e dificuldade em encontrar bibliografia – sobre Eunice Katunda, tinha pouca coisa escrita mas havia sido recém lançado o livro biográfico escrito pelo pesquisador Carlos Kater. Percebi também como a compositora era desconhecida mesmo do público de músicos e estudantes de música. Comecei a notar a quase inexistência de alunas de composição em cursos universitários de música no Brasil. Isso me levou a pesquisar, no mestrado (2004-2006), a inserção das mulheres no campo da composição musical erudita no país. Realizei cinco estudos de caso: Jocy de Oliveira, Maria Helena Rosas Fernandes, Vânia Dantas Leite, Marisa Resende e Denise Garcia, sob orientação da Profa. Dra. Lenita W. Nogueira. O que havia percebido intuitivamente, pela observação, pude confirmar através de estatísticas, relatos, trajetórias e, muitas vezes, pela ausência de dados e documentos.

Depois do mestrado fiquei um tempo afastada da academia me concentrando em tocar cello e dar aulas. Mudei de cidade com meu companheiro, Valério Fiel da Costa e tivemos um lindo filho, agora com três anos. Em 2014 fui chamada novamente para a academia. Vinha trabalhando desde 2013 com um grupo de performance e tenho me envolvido cada vez mais com a música experimental. Novamente as questões sobre as mulheres no campo da música voltaram! Dessa vez, no campo da música experimental: Quem são elas? Por quê é tão difícil, num primeiro momento, lembrar de nomes de mulheres fazendo música experimental? Atualmente estou realizando minha pesquisa de doutorado na UFPB sob orientação do Prof. Dr. Didier Guigue e co-orientação da Profa. Dra. Adriana Fernandes. E o tema da pesquisa surgiu como consequência da minha trajetória de pesquisadora e de artista, agora, com muito mais consciência das minhas escolhas ideológicas, políticas e acadêmicas, assumo com orgulho o termo feminista. Acredito que ele traz em si uma força para mudança e transformação para uma sociedade mais justa, representativa e igualitária!

Em 2014 iniciou-se uma discussão no facebook proposta por Lilian Campesato que deu origem ao nosso querido grupo Sonora! Aqui em João Pessoa iniciamos um grupo de estudos presencial sobre música e gênero! A Sonora e o nosso grupo de estudos daqui, têm se configurado como espaços de reflexão, discussão e ação de grande importância para mim!

Obrigada por toda a riqueza e variedade de pessoas e questões que aparecem na Sonora e pela oportunidade de compartilhar um pouco da minha pesquisa e da minha trajetória!

 

Referências

 

Transmissão