Espaço Aberto (bloco 2) – Gabrielle Haddad

Entrever

Gabrielle Haddad

 

Entrever, seria uma proposta de sugerir um olhar entreaberto, um ouvir por entre frestas, imagens sutis e sonoridades enigmáticas, que aos poucos vão se revelando. Com a intenção de causar uma reação imersiva, intimista, em que a sobreposição dos sons perpassa feito um mantra que vai se repetindo lentamente. As declamações são textos próprios, poéticos, como se adentrassem na mente da artista. Uma sensação onirica, de sonhos fragmentados.

A apresentação em si se trata de uma instalação sonora que engloba poesia declamada, sons sobrepostos, e um vídeo, que ficará rolando por de trás (parede branca ou tecido). Contudo as criações de áudio foram gravadas e manipuladas com o auxílio de recursos digitais (programas de computador e aplicativos de celular), que puderam captar ruídos: de pessoas, animais, objetos cotidianos, paisagens urbanas e campestres, instrumentos musicais (piano, escaleta, entre outros). Estes materiais sonoros foram justapostos com declamações (palavras faladas em voz alta), experimentações vocais (sussurros, assobios, etc.), incluindo efeitos e filtros de edição eletrônicas até mesmo sonoplastias pré-definidas

O som estará saindo de um laptop (para as caixas de som no espaço), em que as criações sonoras vão se intercalando, posteriormente a artista tocará instrumentos de sopro (escaleta, flauta), e declamará alguns textos, criando efeitos sonoros com a voz. Já o video retrata fotografias em movimento, da autoria da artista também, rolando concomitantemente.

 

Gabrielle Haddaddsc05832

Gabrielle `Agah` Haddad, 26 anos, nascida na capital paulista. Sempre gostou de mesclar palavras e imagens, desde cedo tinha o habito de escrever poesias, diários. Teve contato com instrumentos e teorias musicais, frequentou aulas de piano. Em 2014 formou-se em Artes Visuais, no Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Desde então, procura interligar as suas criações de forma mais palpável, encontrando na linguagem audiovisual e sonora uma maneira de se expressar, mesmo que sutilmente. Apresentou sua obra como instalação na Fundação Ema Klabin em 2013, e no espaço Ibrasotope de Musica experimental, em 2015 e 16 de forma ao vivo. Recentemente lançou um album próprio online com o selo independente Malware.

Compartilhar:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *