Ata da reunião de 10/06/2019 – GE com Francisco L. Ribeiro. Texto: Lauren Olamina e eu nos portões do fim do mundo – Jota Mombaça.

Para este GE, Chico preparou uma leitura de tarot a ser realizada no início desta reunião. Porém esta atividade ficou para o final do encontro, depois das leituras e discussões.

A Jota é uma autora não binária que realiza estudos queer, mora em Lisboa, mas tem fortes raízes no nordeste do Brasil. Chico conta que ela nasceu em 1991. Em uma de suas biografias aparece a necessidade da leitura não como inserção no quadro intelectual dominante. Ela estuda teorias hipercríticas, mais diagonais.

Jota traduziu o livro Parable of the Sower, de Octavia E. Butler. O texto deste GE foi o ensaio-resenha que a autora escreveu para o livro, do qual Lauren Olamina é a personagem principal.

Chico fez algumas perguntas relacionando este texto com dois vídeos de Donna Haraway previamente escolhidos por ele: um fragmento e um trailer do documentário story telling for earthly survival. Ele cita outro vídeo desta última, realizado no Encontro “Os mil nomes de Gaia”.

Donna Haraway é antropóloga, autora de “A Cyborg Manifesto: Science, Technology, and Socialist-Feminism in the Late Twentieth Century.” Ela tem um olhar fundado na religião.

De acordo com Chico, o princípio norteador desta exposição é a questão do fim do mundo. Jota se diz negra, num corpo que Chico chama de “monstro-política”. Ele pensou num texto curto para que possamos fabular sobre ele.

Chico diz que Donna Haraway faz uma imagem do fim do mundo com raiz em sua fé católica. Sua visão é diferente da de Jota no que diz respeito ao fim de mundo (Jota pensa em fins de mundo, no plural).

De alguma maneira este texto nos remeteu ao texto que lemos no último GE, Hydrofeminism. O anterior dizia respeito a um outro tipo de apocalipse, o do envenenamento das águas e, portanto, de todos os seres vivos.

Jota traz questões sobre ser negro(a), sobre políticas decoloniais, tempos múltiplos. Pensar no fim como continuidade da vida. Donna Haraway fala do tempo pós-colapso.

Chico formulou as seguintes perguntas:

  • O que é poder pensar o fim?
  • O medo do fim seria o medo do fim de uma realidade dominante? O pudor de lidar com o fim estaria relacionado ao modus operandi patriarcal e colonialista? Pensando em mitos raciais, de gênero, que são fundadores de uma historicidade dominante.
  • Modus fabulatórius. Os mundos fraturados fabulam a continuidade do fim. Negros(as) entraram no mundo acadêmico pelas fraturas dos sistemas.
  • As narrativas da palavra mulher também estão repletas de fraturas.
  • Estudos para fugas indefinidas, sem finalidade.

Sobre o vídeo da Donna Haraway, ela fala sobre a fabulação que existe na academia, e também das contadoras de histórias, como mães e/ou pais para filhas(os), etc.

Quando há pressões fascistas, estas impedem que se crie fins de mundos, cerceia a criação artística, impõe uma disputa de imaginário. A fabulação está ligada à liberdade, ou liberdades, como uma rebeldia. Surgem outras fabulações:

  • Existem muitas lógicas atuando ao mesmo tempo.
  • Temer o fim do mundo seria também superestimar a nossa espécie, como se fôssemos mais importantes que as demais espécies.

O tarot:

Chico pediu a cada uma de nós para pensar um desejo individual e um para o grupo. Tiraremos 2 cartas cada, olharemos sem virar, e dar a ele. Depois ele vai interpretar e nos dar a devolutiva.

É preciso tirar com a mão esquerda. Quem quiser começa. Num segundo momento ele vai misturar as cartas sem saber qual é de quem.

Chico fez uma leitura de todas as cartas no contexto da rede Sonora. Foi uma experiência muito intensa e interessante!