Ata da reunião de 14/11/2017 – Vozes com Sylvia Hinz

A reunião de hoje foi dedicada a mais uma edição da Serie Vozes, desta vez com a flautista alemã Sylvia Hinz. Esta edição teve o apoio do grupo Escritas e Invenções Musicais, além do Núcleo de Pesquisas em Sonologia.

Sylvia é artista residente em Berlim e começou o evento falando e mostrando seus instrumentos, uma coleção de flautas de diversos tamanhos e sonoridades. A mais conhecida é a recorder, ou flauta doce, usada – ou, como ela diz, mal-usada – na iniciação musical em escolas. Ela mostrou também algumas técnicas estendidas que podem ser aplicadas a todas as variantes do instrumento.

Sylvia disse que dá preferência a tocar música contemporânea, especialmente criada por mulheres. Em sua vinda ao Brasil, fará vários concertos intitulados “ Infelizmente desconhecidas”, em que mostra parte deste repertório. Ela não vê razão em tocar obras que outras (os) flautistas já interpretaram centenas de vezes antes dela. Em vez disso, acha interessante tocar obras atuais, que falam de questões do momento em que vivemos. Da mesma forma ela não vê propósito em divulgar obras de homens, que são divulgados o tempo todo em todo lugar.

 

Das compositoras

Entre as compositoras interpretadas por Sylvia Hinz está a romena Violeta Dinescu. Em partituras como “Gräser”, Sylvia reconhece um forte apelo visual e gráfico. A compositora não costuma enviar indicações específicas para decifrar sua escrita. Antes, prefere que a (o) intérprete crie suas próprias soluções e versões da peça a partir da partitura. No caso de sua peça para Trio, a flautista pensa que é interessante que o grupo pense em soluções comuns para os problemas apresentados. Outra abordagem possível é não adotar um padrão para as três partituras deliberadamente.

Nicoleta Chatzopoulou, grega nascida em 1976, também faz parte do rol de criadoras mostradas por Sylvia. Na peça apresentada, “Distant Fields”, a intérprete é chamada a dar contribuições. A compositora lhe cede uma cópia de sua gravação com sons eletrônicos e a flautista toca com este material. Sylvia acha esta peça particularmente importante justamente por ser uma mulher trabalhando com eletrônica, e conta que, na estreia, havia também uma mulher operando a mesa de som. Segundo a intérprete, os homens que estavam no evento se incomodaram por ser dispensados de trabalhar como engenheiros de som para ambas.

Sylvia tocou ainda a peça “Birds”, da canadense Clio Montrey, e mostrou um vídeo de sua performance com a artista plástica Carola Czempik. Com esta última ela tem trabalhado indo a seu ateliê e escolhendo pinturas sobre as quais improvisa, grava, interage. Sua improvisação é influenciada pelas imagens e vice-versa, pois a artista plástica também pinta de acordo com o que ouve em tempo real.

Sylvia é autora de algumas improvisações que viraram peças eletroacústicas, como “Anonyma”. Esta é uma obra homenagem para as mulheres guerreiras que oferecem resistência ao grupo armado ISIS, no Oriente Médio.

Ela também trabalha com as produtoras do site Female Pressure.

 

De onde vem o interesse pelas compositoras

O interesse de Sylvia pelas mulheres criadoras se deu na adolescência, quando notou que o conservatório em que estudava só lhe apresentava compositores homens. Ela decidiu ir atrás de músicas feitas por mulheres, mas diz que não é uma tarefa fácil pelo medo de muitas delas de divulgar seus contatos ou endereços eletrônicos. Encontrar partituras antigas é ainda, de acordo com ela, mais difícil. Há que ir pesquisar em bibliotecas de universidades de seus países de origem, o que torna cara a empreitada.

 

Relacionamento com as autoras

Em geral Sylvia diz ter uma boa relação com as compositoras. Porém, de vez em quando pode dar mais trabalho. Um dos problemas é que a maioria das autoras compõe ao piano e transpõe para a flauta, o que dificulta para a intérprete. Frequentemente elas colocam sons muito agudos ou muito graves, abusam das dinâmicas ppp ou fff e outros procedimentos impossíveis de realizar. A flautista, porém, prefere trabalhar com estas peças do que com novas versões de peças antigas, “neobarrocas”, ou “neorrenascentista”.  Por mais esforço que demande, ela opta por desvendar novas produções.

 

 

Compartilhar:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *