Ata da 6ª Reunião – interna – 11/04/2016

Pauta

  1. Contribuições da Sonora para o WISWOS 2016 – reflexões sobre as perguntas endereçadas a Lilian Campesato:

1.1. De que maneira os sistemas educacionais influenciam jovens garotas impedindo-as de se dirigir aos campos da ciência, tecnologia, artes e engenharias com som e composição? Como isso pode ser modificado / melhorado?

S: Entre vários aspectos citamos, por exemplo, o fato de que até meados de 1970 no Brasil o ensino fundamental não era misto em todas as escolas e as matérias ligadas à ciência e tecnologia eram mais incentivadas aos meninos. A escassez de modelos femininos em posições de mais destaque e poder e posturas misóginas de alguns professores, desqualificando os trabalhos das alunas ou mesmo negligenciando sua presença na classe, é outro fator. Nota-se também a existência de um direcionamento, ainda que velado, para que a mulher aceite sem questionamentos sua posição de mãe e responsável pela boa organização doméstica.

1.2. O que acontece nas salas de aula de música (composição) / engenharia de áudio, música e tecnologia, etc?

S: Como foi dito no item anterior, alguns professores assumem posturas que inibem a participação de alunas numa classe mista. Ainda assim houve um aumento no número de mulheres que frequentam estes tipos de curso nos últimos anos, motivado pelo aumento de professoras mulheres e de modelos femininos.

1.3. Em que ponto (quando) observamos uma mudança do mesmo nível de interesse (em relação aos meninos) para pouco interesse (nessas áreas e aulas)?

S: Alguns músicos têm demonstrado interesse por discussões e posicionamentos voltados a questões de gênero, mas que o foco destas discussões não coincide com o pretendido pelas mulheres.

1.4. Que iniciativas já existem para encorajar as garotas a participar / se envolver?

S: Atualmente existem oficinas e cursos para mulheres em áreas que envolvem o uso de tecnologia, às vezes com oferecimento de bolsas de estudos por instituições. Mas ainda é preciso dar mais visibilidade às mulheres na música, em todas as suas vertentes. É preciso educar para a diversidade.

1.5. O que podemos e o que não devemos fazer a esse respeito?

S: Salientamos a importância de as mulheres retornarem aos espaços em que se sentiram isoladas em suas trajetórias, oferecendo modelos femininos e feministas às novas gerações.

2. Carta de repúdio – foi conjecturado colocar a carta no site da Sonora e pensar em um evento/performance/artigo ou qualquer outra forma de apropriação deste material com fim de divulgar e refletir sobre ataques do tipo que a rede sofreu.

3. Carta a Anppom – foi postada na lista da ANPPOM por Tania Neiva.

4. Atualização do site – dada a grande quantidade de assuntos deste encontro não foi possível contemplar este item das pauta.

Tópicos abordados

  • Visita ao Núcleo Consciência Negra – ficou combinado que Mariana entraria em contato com membros do núcleo para programar uma visita da Sonora.
  • Organização de possível entrevista com Djamila Ribeiro na serie Visões (dia 2/5?), fazendo um contraponto com Antonilde Rosa.

Planejamento da próxima reunião – dia 25/04/2016 (GE)

  • Decidiu-se que dia 18/04 não haverá encontro. Eliana ficou de avisar ao grupo por email.
  • Para o encontro do dia 24/04 foi selecionado o texto “Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade” de Bell Hooks. Davi ficou responsável por apresentar o texto e fazer o post.
  • Eliana se prontificou a fazer a chamada da reunião do dia 25/04 no grupo do gmail.
Compartilhar:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *